PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Servidores preparam ato nacional e cobram saída de presidente da Funai

Sede da Funai em Brasília - Divulgação/Mario Vilela/Funai
Sede da Funai em Brasília Imagem: Divulgação/Mario Vilela/Funai

André Borges

Em Brasília

18/06/2022 15h25Atualizada em 19/06/2022 00h22

Servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) que atuam em todo o País preparam um ato nacional de greve no órgão, em protesto contra os atos praticados por seu atual presidente, Marcelo Xavier. A manifestação está marcada para a próxima quinta-feira, 23, a partir das 10h00, e deve incluir todas as unidades da Funai espalhadas nos Estados e no Distrito Federal.

"Nós, servidoras e servidores da Funai, mobilizados nacionalmente e representados por nossas entidades, convocamos a todas/os para estarem conosco no Ato Nacional de Greve", informou a Indigenistas Associados (INA), associação de servidores da fundação.

"Manifestaremos nossa profunda tristeza e indignação pelo assassinato bárbaro do nosso colega Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips e exigiremos a devida identificação e responsabilização de todos os culpados. Exigiremos, ainda, a saída imediata do Presidente da Funai, Marcelo Xavier, que vem promovendo uma gestão anti-indígena e anti-indigenista na instituição", declara a INA.

O delegado da PF Marcelo Xavier chegou ao comando da Funai em julho de 2019, apoiado pela bancada ruralista. Ele assumiu o comando no lugar do general Franklimberg Ribeiro de Freitas, que tinha deixado o cargo em junho, após ser alvo de forte pressão da bancada do agronegócio. Franklinberg estava há menos de cinco meses no cargo.

Depois de quatro meses no comando, Xavier fez uma demissão generalizada na Funai e trocou 15 coordenações de áreas da autarquia. Alguns coordenadores ficaram sabendo da exoneração pelo Diário Oficial. Naquele mesmo mês de outubro, ele demitiu Bruno Pereira, que era coordenador-geral de Índios Isolados.

Pereira era um dos principais especialistas do órgão e vinha liderando todas as iniciativas de proteção aos povos isolados. Ele tinha acabado de realizar uma grande operação na região do Vale do Javari, que resultou na destruição de dezenas de balsas ilegais.

Quem também foi afastado foi o coordenador de desenvolvimento de pessoal do órgão, Haroldo Niemeyer Resende, sem nenhum tipo de comunicação prévia. Ele havia apontado situações de ingerências e pressão sobre servidores.

Além de troca de comandos, Xavier passou a investigar servidores e lideranças indígenas, sob a acusação de que atuariam para colocar 'barreiras à aprovação' de uma rede de alta tensão entre Manaus 'e Boa Vista', projeto prioritário de Bolsonaro.

Em setembro do ano passado, o Ministério Público Federal acusou Xavier de improbidade administrativa, por desobedecer a um acordo judicial em que a autarquia se comprometia a avançar na demarcação do território indígena Munduruku, em Santarém (PA).

Em novembro de 2021, Xavier decidiu impedir que servidores da autarquia pudessem visitar terras indígenas que estejam em processo de demarcação. Sua ordem era que os deslocamentos só poderiam ocorrer nos casos em que a terra já esteja "homologada ou regularizada".

Desde o primeiro dia de desaparecimento de Dom Phillips e Bruno Pereira, representantes da Indigenistas Associados (INA) fizeram vigílias em Brasília, para cobrar a reação das autoridades nas buscas.

Gustavo Vieira, representante do Sindicato dos Servidores Públicos Federais do DF, disse que a decisão é resultado de uma reunião nacional realizada com servidores da Funai. "Tivemos uma assembleia com mais de 200 pessoas da Funai do País inteiro e deliberamos para realização dessa greve", comentou. As vigílias deverão prosseguir, em frente à sede da Funai, em Brasília.

Cotidiano