PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Luxemburgo desiste de candidatura após ser substituído em disputa pelo Senado

Brasília

05/08/2022 18h44

Após ter sua candidatura ao Senado em Tocantins retirada, o ex-técnico da seleção brasileira de futebol Vanderlei Luxemburgo divulgou carta aberta na qual chama a decisão de "postura ditatorial e rasteira" do PSB local e confirma a saída da disputa eleitoral deste ano. "Informo que não irei concorrer a qualquer cargo nessas eleições. Para mim é impensável permanecer aliançado com traidores. Saio desse processo com a certeza de que construí aliados, amigos e acima de tudo um projeto que já entrou pra história", diz na carta.

Luxemburgo foi substituído pelo presidente regional do PSB tocantinense, o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha, que oficializou sua candidatura ao Senado, hoje, na convenção estadual da sigla. A possibilidade da candidatura de Amastha ao Senado não havia sido cogitada até essa semana.

O ex-técnico da seleção brasileira afirma que não haveria nenhum problema em ser candidato a outra vaga, como deputado federal, por exemplo, caso houvesse uma construção coletiva para tal. "A política se faz em conjunto e as atitudes do presidente do PSB Tocantins mancham a história do Partido Socialista Brasileiro com uma postura ditatorial e rasteira", criticou.

Segundo ele, quando ingressou na sigla ouviu que "podia ser candidato ao que quisesse", e que sua candidatura ao Senado fora colocada de forma coletiva, porém, em nenhum momento foi convidado pelo PSB do Tocantins para discutir qualquer mudança nas chapas majoritária ou proporcional. "Confesso a vocês que não sei em que momento a minha candidatura ao Senado começou a ser descartada", afirma. "Não houve diálogo, houve pressão. Durante as últimas semanas fui instigado a declinar da candidatura, mudar para deputado federal e inclusive, abrir mão do fundo eleitoral", completa.

Vida democrática

Ao UOL, após a mudança, o presidente Nacional do partido, Carlos Siqueira, disse que estas são disputas naturais da "vida democrática". "Pelo que sei a convenção foi realizada de forma regular". A reportagem tentou falar Carlos Amastha, mas não houve retorno.

O novo candidato ao senado pelo PSB tocantinense vem de três derrotas nas eleições, duas nas quais disputou ao governo de Tocantins e uma em que apoiou o candidato Tiago Andrino para a prefeitura de Palmas. Amastha se tornou réu em processo do Ministério Público do Tocantins (MPTO) no último dia 27 de julho por corrupção ativa e passiva por exigir vantagem ilícita quando era prefeito de Palmas.

Cotidiano