Antecipação e prolongamento da estiagem é uma realidade, diz ministro da Integração

O ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, atribuiu à antecipação e ao prolongamento da estiagem parte da razão para os recentes incêndios localizados no Pantanal e na Amazônia.

As declarações ocorreram nesta segunda-feira, 24, após uma reunião da "sala de situação" no Palácio do Planalto, com as ministras do Meio Ambiente, Marina Silva, e do Planejamento, Simone Tebet. Segundo ele, o fenômeno El Niño, que ocorreu no ano passado, repete-se em 2024 e se prolongará até o ano que vem.

"Isso significa que a antecipação da estiagem e o prolongamento dela é uma realidade", disse o ministro.

Na ocasião, ele ressaltou a publicação de uma portaria do Ministério da Integração em maio que tratava da escassez hídrica no Pantanal. Em junho, houve um decreto de situação de emergência e a instalação da "sala de situação".

"Estamos adotando uma série de providências para a Amazônia, considerando a estiagem que vai acontecer e que será prolongada", disse.

Góes também afirmou que mais de 90% "do que está queimando no Pantanal" diz respeito a queimadas, mesmo com a proibição do governo em relação a qualquer ação nesse sentido em 2024.

A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, também atribuiu à ação humana ao tratar dos incêndios e afirmou que mais de 85% dos incêndios estão dentro de propriedades particulares.

Junto a Marina e Góes, a ministra Simone Tebet disse que o governo deve avaliar pedidos de crédito orçamentário para o combate ao fogo na quarta-feira, 26.

Deixe seu comentário

Só para assinantes