Ministro confirma exoneração de Thiago Santos da Conab

Brasília, 25 - O ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), Paulo Teixeira, confirmou, nesta terça-feira, 25, o pedido de exoneração do diretor executivo de Operações e Abastecimento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Thiago José dos Santos. De acordo com o ministro, o Conselho de Administração (Consad) da companhia vai encaminhar, ainda nesta terça, a demissão de Santos. A confirmação de Teixeira ocorreu no período da manhã, em fala a jornalistas ao chegar ao Palácio do Planalto para reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o Plano Safra. De acordo com o ministro, o assunto sobre o diretor executivo está "resolvido". A informação da exoneração foi revelada pela colunista Andreza Matais, do UOL, e confirmada ao Broadcast Agro (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) pela assessoria de imprensa da pasta no domingo, 23. A diretoria de Santos é a responsável pela operacionalização e pelo edital do leilão de compra pública de arroz importado anulado pelo governo federal após suspeitas de irregularidades.O Consad é responsável pelas deliberações quanto à diretoria-executiva da empresa pública. O colegiado tende a se reunir de maneira extraordinária para avaliar a saída, já que seu próximo encontro mensal estava previsto somente para 25 de julho. Santos estava em licença remunerada até a última sexta-feira, 21. O afastamento de Santos era aconselhado pela Casa Civil e por órgãos de controle do governo e cobrado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Isso porque ele é ligado a um dos empresários que intermediaram o maior volume de lotes arrematados no leilão anulado, Robson Luiz de Almeida França, presidente da Bolsa de Mercadorias de Mato Grosso (BMT) e sócio proprietário da Foco Corretora.A Controladoria Geral da União (CGU) apura suspeitas de conflito de interesse, tráfico de influência e favorecimento no leilão. Como mostrou o Broadcast, a proximidade de Santos com França chegou até os órgãos de controle do Executivo. Além de terem atuado conjuntamente como assessores parlamentares do ex-deputado federal Neri Geller, Santos e França são próximos. Até o dia 10 de junho, havia fotos dos ex-assessores juntos nas redes sociais. Também chegou à Advocacia Geral da União (AGU) e à CGU a informação de que, já no cargo de diretor, Santos recebeu França pelo menos duas vezes na sede da Conab no ano passado, o que aumentou a suspeita de tráfico de influência pelos órgãos. Santos foi indicado para o cargo por Geller, exonerado da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura também pela repercussão do leilão e pela conexão com França.