UOL Notícias Notícias
 

30/07/2007 - 15h01

Bolsas da Europa terminam o dia quase estáveis

São Paulo - As bolsas de valores fecharam de lado na Europa, depois de uma sessão volátil, com os papéis do setor químico sustentados por uma segunda tentativa da Akzo Nobel de adquirir o grupo químico ICI.

O índice FT-100, de Londres, fechou em queda de 0,15% em 6.206,10 pontos; o índice Xetra-DAX, de Frankfurt, subiu 0,06%, para 7.456,31 pontos; e o CAC-40, de Paris, fechou em alta de 0,04%, em 5.646,36 pontos. Em Madri, o índice Ibex-35 fechou em queda de 0,55%, aos 14.507,90 pontos. O índice PSI-20, de Lisboa, terminou em alta de 0,81%, em 13.356,05 pontos.

As ações do grupo químico britânico ICI fecharam em alta de 7,2%, depois de a empresa rejeitar a oferta de compra pela indústria holandesa Akzo Nobel. A ICI disse que a oferta, a qual avalia a empresa em 7,76 bilhões de libras, ou US$ 15,8 bilhões, ainda não é suficiente. As ações da Akzo Nobel fecharam em queda de 1%.

Bancos

O setor financeiro permaneceu sob pressão. As ações do Man Group, um dos maiores fundos de alto risco com ações em bolsa, caíram 3%, enquanto os papéis do grupo de investimento imobiliário Hypo Real Estate cederam 3,8%.

As ações do banco alemão IKB despencaram 20,1% em Frankfurt, após divulgar alerta de resultado nesta manhã e anunciar a saída de seu diretor-executivo, citando impacto da crise do mercado de empréstimo imobiliário de alto risco norte-americano. O IKB disse que não está mais em posição para manter as projeções de lucro de 280 milhões de euros para o ano fiscal de 2007-2008, porque teve de oferecer liquidez para sua unidade Rhineland Funding, o veículo de investimento que detêm estas estruturas de crédito de risco. "Da perspectiva que temos hoje, o resultado será significativamente baixo", disse a instituição.

O lucro do HSBC Holdings ofereceu, por outro lado, algum alívio. Seus papéis terminaram o dia com valorização de 1,4%. O HSBC disse também que as dívidas com problemas nos EUA se mantêm nos mesmos níveis do ano passado, uma vez que parou de subscrever empréstimos imobiliários de risco. O lucro antes de impostos da gigante financeira foi de US$ 14,159 bilhões no primeiro semestre deste ano, 13% maior que o de US$ 12,517 bilhões obtido em igual período de 2006.

Os papéis do ABN Amro subiram 0,3%, depois de oficialmente pronunciar-se como neutro na questão sobre a melhor oferta de compra pelo banco. As ações do Barclays caíram 0,2% e as do Royal Bank of Scotland cederam 0,3%. As informações são da Dow Jones.

Cynthia Decloedt

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,71
    3,168
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,12
    68.634,65
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host