UOL Notícias Notícias
 

29/11/2007 - 19h24

Petróleo fecha em alta leve com reabertura de oleoduto

Nova York - Os contratos futuros de petróleo devolveram os ganhos iniciais e fecharam com uma alta modesta em Londres e Nova York, com o esvaziamento dos temores relacionados à oferta por causa do possível fechamento prolongado de um importante oleoduto nos EUA depois de uma explosão, seguida de incêndio, ocorrida ontem à noite. Os preços começaram a ceder quando a operadora canadense Enbridge disse que três dos quatro oleodutos de seu sistema de exportação tinham retomado as operações.

No pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos de petróleo para janeiro chegaram a subir mais de US$ 4,00, para US$ 95,17 por barril, depois que a Enbridge informou que uma explosão em um dos oleodutos em Minnesota interrompeu o fluxo de petróleo bruto do Canadá para o Meio-Oeste dos EUA. Dois funcionários morreram na explosão. A companhia fechou os três oleodutos adjacentes que, junto com o oleoduto afetado, transportam 1,8 milhão de barris diários de petróleo bruto do Canadá, que é o maior fornecedor dos EUA. Em setembro, as importações totais de petróleo bruto do Canadá somaram 1,96 milhão de barris por dia, o equivalente a 19% do total importado pelos EUA, de acordo com dados do Departamento de Energia (DoE).

A Enbridge, com sede em Calgary, disse que retomou as operações de três linhas, enquanto o oleoduto afetado - com capacidade de 420 mil barris/dia - na explosão voltará a operar em dois ou três dias. Após o anúncio, os futuros de petróleo foram gradualmente voltando para os níveis de fechamento do dia anterior. "Do ponto de vista da oferta, os EUA realmente escaparam de uma bala", disse o presidente da Cameron Hanover, Peter Beutel.

Contudo o acidente também reforçou a natureza frágil do sistema de oferta mundial de petróleo, cuja defasagem com a demanda global ajudou a empurrar os preços para perto de US$ 100,00 por barril.

Em um ambiente de transações voláteis, mudanças similares de preço podem ser esperadas com cada notícia de interrupção da oferta, alertaram analistas. "Não apenas nossa oferta de petróleo está bastante apertada agora, mas achamos que a oferta permanecerá apertada", disse o economista global de petróleo da UBS Securities em Nova York, Jan Stuart. O incêndio no oleoduto mostra que "existem muitos riscos, mesmo em economias maduras, e qualquer um daqueles riscos de oferta no ambiente atual derruba o equilíbrio e causa uma violenta reação dos preços", acrescentou.

Na Nymex, os contratos de petróleo para janeiro fecharam a US$ 91,01 por barril, alta de US$ 0,39, ou 0,43%; a mínima foi de US$ 90,43 e a máxima de US$ 95,17. Na Bolsa Intercontinental (ICE, de Londres), os contratos de petróleo Brent para janeiro fecharam a US$ 90,22 por barril, alta de US$ 0,41, ou 0,46%; a mínima foi de US$ 89,73 e a máxima de US$ 92,82. As informações são da Dow Jones.

Suzi Katzumata

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h09

    0,95
    3,176
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h19

    -0,94
    67.947,93
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host