UOL Notícias Notícias
 

05/01/2010 - 18h44

Bovespa garante 70 mil pontos com ajuda de estrangeiro

São Paulo - O investidor estrangeiro garantiu que o índice Bovespa fincasse pé nos 70 mil pontos, marca alcançada ontem no primeiro pregão de 2010 e que não era atingida desde o início de junho de 2008. Para alguns operadores, a alta de hoje poderia até ter sido maior, não fosse a queda nas ações da Petrobras, uma das blue chips da Bolsa brasileira. O principal índice da Bolsa subiu hoje 0,28%, aos 70.239,82 pontos, depois de oscilar entre a máxima de 70.594,55 e a mínima de 69.927,80 pontos. O volume de negócios subiu para R$ 7,11 bilhões (preliminar), ante os R$ 5,25 bilhões registrados ontem.

Enquanto a Petrobras impediu a Bolsa de avançar mais, os papéis da Vale foram as estrelas destes dois primeiros dias de negociação no mercado doméstico. Para Pedro Galdi, analista da SLW Corretora, desde ontem a entrada de estrangeiros na Bolsa tem sido forte e a preferência desse investidor é pelas ações da Vale, que tem boas perspectivas neste ano. "O cenário é muito positivo para a Vale", afirma, ao citar que o preço do minério de ferro no mercado à vista é hoje por volta de US$ 130 a tonelada, cerca de 60% mais alto que no ano passado, "o que dá mais força às mineradoras nas negociações", citou.

No caso da Petrobras, por sua vez, um operador avalia que "o mercado vai segurar o papel até que a capitalização da empresa seja definida" e isso explica a discrepância cada vez maior entre os preços de Petrobras e Vale, as duas ações com maior peso na Bovespa. Segundo ele, "a presença do estrangeiro surpreendeu ontem e hoje", mas esse investidor tem preferido as ações da Vale, enquanto detalhes importantes do futuro da estatal de petróleo permanecem em suspense, como o modelo de exploração na camada do pré-sal.

Além disso, o jornal português Diário Econômico afirmou em sua edição de hoje que a Petrobras voltou a negociar a compra da fatia de 33,34% que a italiana Eni possui na petroleira portuguesa Galp Energia. Segundo a publicação, o governo do Brasil apoia a entrada da companhia no capital da Galp para permitir que a estatal petrolífera acesse o mercado de refino europeu, assim como entre em novos mercados, sobretudo africanos. A empresa, entretanto, negou a informação. Mas a notícia já acende um sinal amarelo sobre os que temem pelo alto endividamento da companhia. Petrobras ON perdeu hoje 0,60%, a R$ 41,40, enquanto a ação preferencial (PN) teve queda de 0,86%, para R$ 37,00. Já a ordinária da Vale avançou 0,93%, para R$ 51,97, enquanto a ação PNA subiu 1,40% (R$ 44,13).

O apetite do estrangeiro já pôde ser medido nos números de 2009, segundo dados informados hoje pela bolsa. A Bovespa encerrou o ano passado com superávit de R$ 20,596 bilhões em capital externo, com a entrada de R$ 146,061 milhões no último dia útil do ano, 30 de dezembro. O resultado, além de representar um recorde, marca o retorno dos estrangeiros à Bolsa após dois anos consecutivos de saldos negativos, de R$ 4,235 bilhões em 2007 e de R$ 24,629 bilhões (recorde) em 2008. O recorde anterior era de 2003, primeiro ano do governo Lula, quando foi apurado superávit de R$ 7,495 bilhões em recursos estrangeiros.

As negociações no mercado de ações também atingiram volume financeiro recorde de R$ 6,840 bilhões na média diária no quarto trimestre. O valor ficou 3,34% acima da marca anterior, de R$ 6,618 bilhões, apurada no quarto trimestre de 2007. O resultado também superou em 31,19% o volume médio diário do terceiro trimestre de 2009, de R$ 5,214 bilhões. Segundo comunicado da Bovespa, a participação dos investidores estrangeiros no volume negociado foi de 31,7%, seguido pelas pessoas físicas (29,1%), investidores institucionais (27,1%), instituições financeiras (9,8%) e outros (0,06%).

A disposição do investidor garantiu, inclusive, que a Bovespa operasse descolada das Bolsas de Nova York, onde indicadores sem consenso afetaram o humor dos mercados. Perto das 18h40, o índice Dow Jones tinha recuo de 0,16%, enquanto o S&P 500 subia 0,25% e o Nasdaq operava estável.

Na Europa, as principais bolsas registraram desempenhos desiguais, depois de terem devolvido os ganhos de mais cedo em reação ao fraco dado de vendas pendentes de imóveis residenciais nos EUA. Mais cedo, as ações financeiras haviam liderado os ganhos depois que analistas do Deutsche Bank reiteraram seu ponto de vista positivo para o setor. Em Londres, o índice FT-100 subiu 22,16 pontos (0,40%) e fechou a 5.522,50 pontos; em Paris, o índice CAC-40 caiu 1,06 pontos (0,03%) e fechou com 4.012,91 pontos; em Frankfurt, o índice Dax-30 recuou 16,44 pontos (0,27%) e fechou com 6.031,86 pontos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,02
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host