UOL Notícias Notícias
 

16/02/2010 - 18h54

Bolsas europeias sobem com menor temor sobre déficits

Londres - As bolsas europeias fecharam em alta, à medida que os receios sobre as questões relacionadas às dívidas soberanas diminuíram ligeiramente. A Grécia continuou a ser o assunto central do mercado com os países da zona do euro concordando em dar o prazo de um mês para o governo grego mostrar que tem um plano viável para corrigir seus problemas de déficit fiscal. Além disso, os líderes europeus afirmaram que exigiriam que o governo grego realizasse cortes profundos nos gastos e adotasse novos impostos. A discussão de uma ajuda à Grécia ficou sem segundo plano, uma vez que os ministros da zona euro exigiram do país medidas austeras.

Enquanto a questão não resolvida da Grécia continuou a infiltrar-se no mercado, a divulgação do balanço do Barclays e a divulgação do relatório sobre o ritmo de produção industrial na região de Nova York, melhor do que o esperado, animaram os investidores.

Em Londres, o índice FT-100 subiu 76,59 pontos (1,48%) e fechou com 5.244,06 pontos; em Paris, o índice CAC-40 avançou 59,82 pontos (1,66%) e fechou com 3.669,04 pontos; em Frankfurt, o índice DAX-30 ganhou 81,02 pontos (1,47%) e fechou com 5.592,12 pontos. A Bolsa da Grécia encerrou a sessão em queda, com o índice ASE caindo 1,7%, para 1.866,87 pontos, depois que os ministros das Finanças europeus continuaram a pressionar o governo do país a realizar mais cortes de gastos.

O indicador ZEW, sobre o sentimento econômico para a Alemanha caiu para 45,1 em fevereiro, ante a leitura de 47,2 em janeiro. O nível foi maior que as projeções dos analistas, que esperavam um declínio para 40.

No setor de petróleo e gás, os papéis da Royal Dutch Shell ganharam 1,9%. A empresa afirmou ter esboçado uma proposta que permitiria evitar a repetição de uma longa controvérsia sobre o pagamento de um prêmio em bônus e que poderia dar mais ações para o seu CEO, Peter Voser.

Na contramão, as ações da L'Oreal recuaram 5,1% na bolsa de Paris. A companhia informou ontem, que seu lucro líquido caiu 8% em 2009, para 1,79 bilhão de euros (US$ 2,46 bilhões). As vendas da L'Oreal totalizaram 17,47 bilhões de euros (US$ 24,04 bilhões), abaixo da média das estimativas dos analistas, de um total de 17,58 bilhões de euros, de acordo com dados compilados pela Dow Jones Newswires.

Setor financeiro - Os papeis do Barclays subiram 6,8%, em Londres, ajudando a impulsionar as ações do setor financeiro. O banco disse que o lucro antes do pagamento de impostos subiu 92% em 2009, para 11,64 bilhões de libras, levemente acima das projeções dos analistas. O resultado incluiu o ganho de 6,33 bilhões de libras (US$ 998,8 milhões) proveniente da venda do Barclays Global Investors. As ações de outros bancos subiram após a divulgação do balanço do Barclays. Os papéis do Société Générale avançaram 4,5%. As ações do Deutsche Bank, que teve sua avaliação de risco elevada para performance acima da média pelo Credit Suisse, ganharam 3,7%. As informações são da Dow Jones.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host