UOL Notícias Notícias
 

22/02/2010 - 18h17

Petróleo fecha acima de US$ 80 com greve na França

Nova York - O mercado futuro do petróleo fechou com o barril acima de US$ 80 e bateu uma máxima de quase seis semanas, enquanto uma greve em curso nas refinarias francesas continuou a alimentar as preocupações sobre a oferta de gasolina. A greve dos trabalhadores nas refinarias da Total SA na França entrou no sexto dia e ainda não se prevê um fim para a disputa. Os trabalhadores nas refinarias francesas da petrolífera americana ExxonMobil também consideram aderir à greve.

Os trabalhadores iniciaram a greve na semana passada em protesto contra os planos da Total de reduzir a capacidade de processamento nas refinarias e em descontinuar o refino na unidade de Flandres, perto de Dunquerque.

Os contratos de petróleo com vencimento em março apresentaram alta de US$ 0,35 (0,44%) fechando a US$ 80,16 na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). Considerando as transações eletrônicas, a máxima no contrato para março foi de US$ 80,51 e a mínima foi de US$ 79,45. O fechamento de hoje significou a máxima desde 12 de janeiro, quando o barril alcançou US$ 80,79. O contrato para março expirou no encerramento do pregão desta segunda-feira.

O contrato do petróleo na Nymex para abril teve alta de US$ 0,25 (0,31%) e fechou a US$ 80,31, com uma máxima de US$ 80,79 e uma mínima de US$ 79,65. Já o barril do petróleo Brent, negociado em contrato para abril no mercado eletrônico ICE, teve alta de US$ 0,42 (0,5%), fechando a US$ 78,61 o barril. A máxima foi de US$ 78,94 e a mínima foi de US$ 77,85.

A greve na França acontece num período em que, tradicionalmente, as refinarias americanas entram no período sazonal de manutenção, embora com as operações trabalhando já num nível historicamente baixo, a produção poderá ser elevada se houver escassez de oferta.

O sindicato empresarial francês do petróleo, Union Française des Industries Pétrolières (Ufip), disse hoje que os estoques de produtos refinados de petróleo no país representam de sete a dez dias de oferta. "Nós ainda não estamos numa situação de crise; das doze refinarias na França, seis estão funcionando e a vasta maioria das unidades de armazenagem está bem", disse Yves Le Goff, porta-voz da Ufip. As informações são da Dow Jones.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host