UOL Notícias Notícias
 

16/03/2010 - 17h00

Dólar comercial fecha em alta de 0,06% a R$ 1,764

São Paulo - O mercado doméstico de câmbio operou hoje na contramão do comportamento das moedas no cenário externo. A explicação corrente entre as mesas de câmbio nesta tarde era de que a demanda foi menor que a esperada para os papeis da oferta pública inicial da OSX, de Eike Batista, que poderia chegar perto dos R$ 10 bilhões com os lotes suplementares. Além disso, alguns investidores que compraram dólares com a aposta de que a taxa Selic possa ser elevada a partir de amanhã podem estar revertendo posições diante de uma mudança de opinião, a favor da alta em abril.

Apesar de todo o ambiente favorável a uma alta do real, o dólar subiu hoje, dia em que se encerra o período de reserva da oferta das ações ordinárias da companhia de Eike Batista. Ao final do pregão, o dólar à vista na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) fechou a R$ 1,767 (na máxima do dia), alta de 0,23%. No mercado interbancário de câmbio, o dólar comercial subiu 0,06%, a R$ 1,764, depois de pouca oscilação, entre a máxima de R$ 1,77 e a mínima de R$ 1,762. O euro comercial subiu 0,79% para R$ 2,429.

Diante da alta das bolsas, tanto na Bolsa brasileira como no mercado externo, e das commodities, além da sensação de alívio em relação à Grécia, a alta da moeda por aqui foi leve. "O mercado ficou meio de lado, sem direção", afirmou Marcello Paixão, sócio gestor da Principia Capital Management.

O IPO da OSX é esperado com ansiedade, pelo volume de recursos envolvidos, tornando a operação uma das maiores ofertas públicas dos últimos tempos. Mas, segundo os operadores, a demanda menor pode obrigar os coordenadores a reduzir a faixa de preço para os papéis, de R$ 1.000 a R$ 1.333,33, como indicado no prospecto (o processo de bookbuilding se encerra amanhã) e a magnitude do processo, por si só, teria conseguido reverter a tendência da nossa moeda.

No dia 3 de março, o empresário Eike Batista, ao se referir à companhia de construção naval do grupo, chamou-a de "Embraer dos mares", em apresentação para investidores. Se realmente se aproximar dos R$ 10 bilhões previstos (com base na cotação máxima), este poderá ser o segundo maior IPO do País, atrás apenas da operação do Santander, de R$ 14,1 bilhões, feita em outubro do ano passado.

A decisão do Federal Reserve (Fed, banco central americano), que hoje manteve a taxa básica de juros na faixa entre zero e 0,25%, não teve influência no desempenho do dólar no mercado local desta tarde, já que veio dentro do esperado. O Fed ainda manteve em seu comunicado a frase de que os juros continuarão "excepcionalmente baixos" por um "período prolongado".

Internamente, o Banco Central realizou leilão para compra de moedas no mercado à vista quase no final do pregão e fixou a taxa de corte em R$ 1,767.

No segmento de câmbio turismo, o dólar subiu 1,46% hoje para R$ 1,88 (venda) e R$ 1,817 (compra). O euro turismo também avançou 1,46% para R$ 2,567 (venda) e R$ 2,453 (compra), em média.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,95
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h28

    -1,26
    74.443,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host