UOL Notícias Notícias
 

14/04/2010 - 09h11

Policial acusado de corrupção foge em viatura do Deic

São Paulo - Tiros, atropelamento e fuga. Assim terminou a operação da Corregedoria da Polícia Civil para colocar atrás das grades policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) acusados de corrupção. O grupo tentava achacar R$ 17 mil de um comerciante que já havia sido detido por receptar cargas de azeite furtadas em 2009.

A ação dos supostos corruptos começou quando cinco homens que se identificaram como policiais foram até a casa do comerciante. Queriam R$ 50 mil para não prender o homem. Ameaçaram com armas em punho a mulher e a filha da vítima. O homem tentou negociar e obteve primeiro uma redução da propina para R$ 30 mil e, depois, para R$ 17 mil. Era manhã de ontem quando os policiais mandaram que o comerciante fosse buscar o dinheiro enquanto aguardavam ao lado da família da vítima.

Em vez de dinheiro, o comerciante foi atrás do Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), do Ministério Público Estadual. Os promotores se preparavam para o depoimento da vítima, quando os policiais telefonaram para o comerciante. Queriam saber a razão da demora. Os promotores levaram então o comerciante à Corregedoria.

 Os corregedores aconselharam a vítima a dizer que ia entregar o dinheiro acompanhado de um advogado - na verdade, um policial da Corregedoria disfarçado. Outros dez corregedores acompanhariam à distância. O local do encontro foi marcado para um posto de gasolina na Rodovia Dutra, em Guarulhos.

Às 16h30, quando o comerciante entregou o dinheiro, os corregedores cercaram os três policiais do Deic. Os investigadores reagiram. Houve luta corporal e dois saíram correndo. Um deles, o investigador Sidnei, apanhou uma viatura do Deic sem identificação e arrancou. Atropelou o suposto comparsa - o investigador Moura - e fugiu com o dinheiro. Os corregedores atiraram nos pneus para tentar impedi-lo. Moura ficou ferido na perna e foi detido, assim como outro suspeito, identificado como Valdir. Eles negam as acusações.

O policial fugitivo, por meio do advogado, prometeu se entregar. Às 22h40, o defensor deixou o prédio da Corregedoria dizendo que ia buscar o cliente para que ele se apresentasse. A exemplo dos colegas, ele dizia que tudo não passou de um mal-entendido e que o grupo só estava fazendo uma diligência. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host