UOL Notícias Notícias
 
24/05/2010 - 18h56 / Atualizada 24/05/2010 - 19h22

Bolsas de NY caem puxadas pelo setor financeiro

Nova York - Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos fecharam em queda, puxados pelo declínio nos papéis do segmento financeiro diante da notícia de que o banco CajaSur, da Espanha, entrou em colapso e passará a ser controlado pelo banco central do país europeu. Segundo o Credit Suisse, a intervenção do Banco da Espanha no CajaSur "pode gerar preocupações com o sistema financeiro, o perfil de risco soberano e a economia em geral" e elevar o custo de financiamento bancário.

O Dow Jones caiu 1,24%, para 10.066,57 pontos. Na sexta-feira, o índice avançou cerca de 125 pontos, impulsionado basicamente por seus componentes do setor financeiro, como Bank of America e JPMorgan, que na sessão de hoje caíram 3,69% e 3,57%, respectivamente. A Home Depot foi o único integrante do Dow Jones que fechou o dia em alta, subindo 0,61% após dados da Associação Nacional de Corretores de Imóveis dos Estados Unidos mostrarem que as vendas de moradias usadas cresceram 7,6% no país em abril. Analistas esperavam alta de 4,7%.

O índice Nasdaq recuou 0,69%, para 2.213,55 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 1,29%, para 1.073,65 pontos, registrando queda em todos os setores que o compõem. O Citigroup foi um dos poucos componentes do S&P 500 que subiu hoje. As ações do banco avançaram 0,80% após terem sua recomendação elevada pelo Goldman Sachs. O Wells Fargo, por sua vez, teve queda de 4,65% depois de suas ações terem a recomendação cortada, também pelo Goldman Sachs.

Embora os índices tenham encerrado o dia em território negativo, a sessão teve bastante volatilidade e os investidores tentam determinar se a recente correção nas bolsas deve ser considerada uma oportunidade para comprar ou um motivo de preocupação. Segundo Howard Present, executivo-chefe da F-Squared Investments, os modelos quantitativos utilizados por sua companhia sugerem que deve haver mais fraqueza nos próximos dias. Em maio, as ferramentas analíticas começaram a indicar "sinais negativos razoáveis e amplos", afirmou. "A abrangência era tanta que, em termos gerais, estamos apostando num declínio."

Present disse que sua empresa eliminou a exposição aos setores de matérias-primas há várias semanas com base no alerta de seus modelos quantitativos e afirmou que os setores de saúde e tecnologia estão demonstrando fraqueza significativa. "A última vez que vimos tantos setores baixistas mesmo após receberem investimentos foi em janeiro de 2008", acrescentou. "É definitivamente o conjunto de sinais mais fraco que registramos num período de um ano."

Na Bolsa de Nova York, o volume negociado alcançou 1,314 bilhão de ações, de 2,301 bilhões de ações na sexta-feira. Na Nasdaq, o volume somou 2,006 bilhões de ações, de 3,313 bilhões de ações; 1.765 ações subiram e 964 caíram.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host