UOL Notícias Notícias
 
26/05/2010 - 14h47 / Atualizada 26/05/2010 - 14h54

Bolsas europeias fecham em alta em dia com volatilidade

Londres - As bolsas de valores europeias recuperaram-se das quedas acentuadas de ontem e hoje fecharam em alta ajudadas pela caça a barganhas nos setores bancário e de mineração. Apesar disso, os participantes do mercado ainda não se esqueceram das incertezas quanto à dívida soberana de alguns países da zona do euro, avalia Joshua Raymond, da City Index. "É provável que as incertezas com relação às dívidas soberanas provoquem questionamentos sobre a sustentabilidade dos ganhos de hoje e será interessante observar se os investidores estão querendo ter ganhos no início", analisou.

Depois de cair 2,48% na sessão de ontem, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou hoje em alta de 2,43%, a 237,74 pontos, numa sessão de volatilidade alimentada por temores de que a crise da dívida na periferia da zona do euro venha a afetar o crescimento econômico e a desencadear uma reprise da crise financeira de 2008. As ações dos bancos tiveram forte queda ontem, mas recuperaram algum terreno na sessão de hoje. Os papéis do suíço UBS subiram 1,20%, os do francês Credit Agricole avançaram 2,74% e os do italiano UniCredit valorizaram-se 1,88%.

"Nós às vezes vemos uma recuperação decente depois de fortes vendas, quando os fluxos de redução de risco diminuem e compradores deixados de lado entram no mercado, mas não está claro se já chegamos a isso", avaliaram analistas do Danske Bank. Os papéis das mineradoras e das petrolíferas beneficiaram-se de uma recuperação dos preços dos contratos futuros de metais e de petróleo, com os investidores mostrando-se menos ariscos a ativos de risco mais elevado. As ações da BHP Billiton subiram 5,33%; as Xstrata avançaram 5,74% e as da Rio Tinto tiveram alta de 7,30%.

No setor do petróleo, os papéis da Repsol subiram 1,64% e as ações da Total avançaram 1,46%. Os papéis da British Petroleum fecharam em alta de 1,40%, revertendo perdas iniciais em um momento no qual a companhia prepara-se para uma manobra com o objetivo de conter um extenso vazamento de petróleo no Golfo do México.

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) deu motivo para que investidores antes nervosos ficassem mais otimistas ao informar que o crescimento das economias mais desenvolvidas do mundo está se recuperando numa velocidade mais alta que a esperada, até mesmo na Europa. A OCDE advertiu, no entanto, que a crise da dívida representa risco a esta recuperação.

Já as ações da Portugal Telecom subiram 6,00% depois de o diretor financeiro da gigante espanhola Telefónica ter afirmado em entrevista do Financial Times que a empresa poderia fazer uma oferta hostil pela PT caso esta continue se recusando a vender sua fatia na brasileira Vivo. Os papéis da Telefónica caíram 0,17%. Em Lisboa, o índice PSI-20 subiu 3,19%, fechando em 6.844,11 pontos; na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 avançou 0,42%, encerrando em 9.042,60 pontos.

Enquanto isso, a Itália entrou para o grupo de países europeus que adotaram medidas de austeridade fiscal para tentar diminuir seu endividamento. Hoje, o índice FTSE MIB, da bolsa de valores de Milão subiu 2,15%, fechando em 18.778,41 pontos. Entre os principais índices de ações da Europa, o CAC-40, da Bolsa de Paris, subiu 2,32%, encerrando a sessão em 3.408,59 pontos; em Londres, o FTSE-100, avançou 1,97%, terminando o pregão em 5.038,08 pontos; o índice Dax, da bolsa de Frankfurt, teve alta de 1,55%, fechando em 5.758,02 pontos. As informações são da Dow Jones.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h49

    -0,13
    3,164
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h51

    2,13
    70.095,09
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host