UOL Notícias Notícias
 
04/06/2010 - 10h13 / Atualizada 04/06/2010 - 10h30

Bovespa abre em baixa com Hungria e dado nos EUA

São Paulo - O dado sobre o mercado de trabalho (payroll) de maio nos Estados Unidos abaixo das estimativas acentuou o clima negativo nos mercados, empurrando as bolsas e as commodities para as mínimas. Assim, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em baixa, pressionada ainda por preocupações com a situação fiscal da Hungria. A sexta-feira espremida entre o feriado local e o fim de semana e a fraca agenda do dia prometem liquidez bem reduzida na Bovespa, o que tende a fortalecer a volatilidade doméstica. Às 10h10, o índice Bovespa (Ibovespa) cedia 1,64%, aos 61.912 pontos.

Nos EUA, os índices futuros de ações registravam baixas superiores a 2%, após o relatório do emprego de maio ter mostrado a criação de 431 mil vagas ante previsão de abertura de 515 mil postos de trabalho. A taxa de desemprego desacelerou para 9,7%, exatamente como o esperado. Na Europa, antes mesmo do dado do payroll, o euro bateu a mínima em quatro anos, operando abaixo de US$ 1,21, refletindo as preocupações com a economia húngara.

No mercado de commodities, a deterioração dos preços também se acelerou, o que joga pressão nos papéis ligados ao setor negociados na Bovespa. O petróleo era cotado abaixo de US$ 73 por barril, desvalorização de mais de 2% e o cobre para julho recuava 2,46% em Londres. "Como os números divulgados recentemente nos EUA estavam vindo melhores do que o estimado, o mercado estava preparado para um payroll mais forte e isso não se confirmou, num dia de novas notícias indicando fragilidades fiscais na Europa", comenta o economista-chefe da Legan Asset Management, Fausto Gouveia.

A Europa, que vinha dando uma pequena trégua em termos de noticiário negativo nos últimos dias, volta a assustar o mercado, reacendendo o medo de alastramento da crise na zona do euro. A Hungria é a preocupação da vez. Na quarta-feira, o vice-presidente administrativo do Partido Fidesz, Lajos Kosa, declarou que o país está diante de uma crise de dívida soberana semelhante à da Grécia, que poderia resultar no rompimento com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Hoje, o porta-voz do primeiro-ministro da Hungria, Peter Szijjarto, disse que a economia do país está em "situação grave", mas que o país não seguirá o mesmo caminho da Grécia, uma vez que o novo governo não deixará que isso aconteça. "O governo está pronto para evitar o caminho da Grécia", afirmou o porta-voz.

No Brasil, com o clima externo ruim, os investidores devem deixar de lado a divulgação pela Petrobras, quarta-feira à noite, de nota sobre o início do período de silêncio referente à oferta pública de ações que pretende fazer dentro do processo de capitalização. A nota sobre o período de silêncio não informa sobre o cronograma. No entanto, a previsão da estatal até onde se tinha notícia era de conclusão da captação até o começo de agosto.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host