UOL Notícias Notícias
 
08/06/2010 - 10h12 / Atualizada 08/06/2010 - 10h37

Bovespa abre em alta com PIB e EUA

São Paulo - A alta dos índices futuros de ações norte-americanos e o vigor do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no primeiro trimestre devem sustentar a recuperação da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) hoje, após abertura em alta. Às 10h10, o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,81%, aos 61.680 pontos. Mas qualquer percalço no exterior pode derrubar essa tentativa de recomposição de preços da bolsa brasileira na esteira de dois pregões consecutivos de baixa, que só não foram piores devido à retomada da trajetória de alta dos papéis de Petrobras.

O PIB do primeiro trimestre, anunciado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cresceu 2,7% ante o quarto trimestre de 2009, superando a mediana projetada pelos analistas, de 2,50%. Na comparação com o primeiro trimestre de 2009, o PIB teve expansão de 9,0%, também acima da mediana esperada, de 8,55%. Diante de números tão pujantes, a expectativa é de valorização dos papéis de empresas que dependem do consumo interno.

Em Nova York, o S&P 500 subia 0,47% e o Nasdaq futuro avançava 0,52%, tentando reaver um pouco das perdas da véspera, quando as bolsas fecharam nos menores níveis desde novembro de 2009. Essa melhora das bolsas é favorecida por declarações de ontem à noite do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), Ben Bernanke. Ele reafirmou que a economia norte-americana vai continuar a se recuperar, apesar da crise na zona do euro (grupo das 16 nações que adotam a moeda única), mas disse que o ritmo não será forte o suficiente para reduzir rapidamente o desemprego.

Na Europa, foco da crise atual, as bolsas operam no vermelho e o euro segue abaixo de US$ 1,20, refletindo o alerta da Fitch sobre a situação fiscal do Reino Unido. A Fitch recomendou ao governo do Reino Unido que promova uma redução adicional de 1% do PIB por ano de seus empréstimos para manter o rating AAA.

Alguns analistas citam o pacote alemão que prevê corte de 80 bilhões de euros até 2014 como um contraponto positivo nos negócios. Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, afirmou hoje que seu governo vai construir as bases para um novo sistema econômico e disse que o setor bancário deve fazer parte da recuperação econômica.

No Brasil, a expectativa é se Petrobras vai continuar exercendo efeito positivo na Bovespa, como ocorreu nos últimos dois pregões diante dos sinais de que o processo de capitalização vai mesmo sair. Começa hoje no Senado a votação do marco regulatório do pré-sal. Está prevista a votação do projeto que cria um Fundo Social com parte do dinheiro da exploração do petróleo.

O aumento de 14,9% da demanda doméstica da Gol em maio ante o mesmo mês do ano passado, recorde nesse segmento pelo segundo mês consecutivo na comparação ano a ano, deve ter efeito positivo nas ações da Gol. A companhia atribuiu os aumentos à contínua melhoria no cenário econômico no Brasil. A demanda internacional da Gol teve alta de 11,5% em comparação ao mesmo mês de 2009.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h49

    -0,47
    3,130
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h50

    -0,47
    75.248,28
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host