UOL Notícias Notícias
 
24/06/2010 - 18h30 / Atualizada 24/06/2010 - 19h16

Polícia faz reconstituição da morte de inocente no Rio

Rio - A Polícia Civil realizou hoje, no Andaraí, na zona norte do Rio de Janeiro, a reconstituição da morte do supervisor de supermercados Hélio Ribeiro. Ele foi morto em maio pelo cabo do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Leonardo Albarello, que confundiu a furadeira da vítima com uma arma.

"Queremos esclarecer se era possível pela distância confundir a o objeto com uma arma, se o policial podia ouvir o som da furadeira e se a vítima poderia ter escutado o alerta do agente", disse a delegada titular da 20ª Delegacia de Polícia de Vila Isabel, Leila Goulart.

O laudo pericial deverá ficar pronto em 30 dias. De acordo com a delegada, não houve contradição entre as versões dos policiais e da viúva de Hélio, Regina Ribeiro. O policial, que está afastado e indiciado por homicídio doloso, não participou da reconstituição, mas compareceu à delegacia.

"A família acha o momento indevido para a realização da perícia. O Estado sabe que o policial mirou e atirou em um inocente", disse Donato Ferreira, advogado da família do supervisor. Segundo ele, a versão da viúva bate com o laudo cadavérico.

O crime ocorreu em uma vila de classe média no Andaraí, que fica em um dos acessos ao morro, durante uma incursão do Bope na busca por traficantes, que supostamente estariam no local. A distância entre o atirador o supervisor era de 30 metros. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, prometeu conceder uma pensão à família do supervisor.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h19

    0,10
    3,282
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h24

    0,88
    63.812,98
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host