UOL Notícias Notícias
 
13/07/2010 - 17h27

Ibovespa sobe menos que NY por cautela com China

São Paulo - A Bolsa brasileira trabalhou no território positivo durante toda a sessão de hoje, mas em valorização mais modesta do que as vistas em Nova York e na Europa - em Wall Street as altas superaram 1,4% e na Europa ficaram em torno de 2%. As bolsas no exterior se animaram com o balanço positivo da Alcoa divulgado no fim da tarde de ontem nos EUA e a projeção da empresa de que o consumo do alumínio crescerá 12% este ano, acima da previsão anterior de 10%. Também há otimismo em relação aos resultados corporativos que saem ainda hoje e nos próximos dias nos EUA.

Nesse ambiente, perderam importância o rebaixamento da dívida de Portugal pela agência de classificação de risco Moody's, a queda do índice de confiança alemão para o nível de 21,2 pontos (pior do que as previsões de 26 pontos) e o déficit comercial americano em maio acima do previsto - o resultado de US$ 42,27 bilhões superou as projeções de US$ 38,9 bilhões.

O índice Bovespa, porém, minimizou os fatores positivos externos e deu peso para notícias chinesas. Uma delas, a de que o governo chinês não abrirá mão de controlar o aquecido mercado imobiliário. Para Pedro Galdi, analista de investimentos da SLW Corretora, "a Bovespa manteve preocupação com a bateria de dados econômicos chineses que saem na noite de quarta-feira, com impacto nos mercados na quinta". Qualquer sinal de retração na China que esses indicadores possam revelar implica redução do consumo de commodities e vulnerabilidade para ações de empresas do segmento, como Petrobras e Vale, e também de siderúrgicas.

O Ibovespa subiu 1,15% hoje, aos 63.685,56 pontos. Na mínima do dia, subiu 0,01%, aos 62.964,31 pontos; na máxima, a alta foi de 1,30%, aos 63.777,14 pontos. No mês, acumula ganho de 4,51%; no ano, a perda é de 7,15%. O giro financeiro foi de R$ 5,556 bilhões. Os dados são preliminares.

Influenciado pela China, o Ibovespa viu suas ações de empresas ligadas a commodities (matérias-primas) patinarem abaixo do índice. Petrobras PN subiu 0,26%, para R$ 27,30, enquanto o papel ON caiu 0,89%, para R$ 31,19 e figurou entre as maiores quedas do Ibovespa. Vale PNA valorizou-se 0,57%, para R$ 38,55, e a ação ON ganhou 0,18%, cotada a R$ 44,16.

Em Nova York, além de o balanço da Alcoa ter incentivado os investidores a voltarem para ativos de maior risco, as ações de bancos atraíram compras, em reação ao anúncio de um acordo em torno do projeto de reforma da regulamentação do setor financeiro, que poderá ser votado pelo Senado dos EUA ainda nesta semana. As bolsas americanas registraram alta pelo sexto dia consecutivo. O Dow Jones valorizou-se 1,44%, aos 10.363,02 pontos; o Nasdaq subiu 1,99% para 2.242,03 pontos; e o S&P500 evoluiu 1,53%, para 1.095,28 pontos (dados preliminares).

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h49

    0,20
    3,272
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h50

    -0,56
    63.726,32
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host