UOL Notícias Notícias
 
17/07/2010 - 11h07

Três anos depois, acidente da TAM não tem culpados

São Paulo - A queda do Airbus A320 da TAM no Aeroporto de Congonhas, na zona sul paulistana, completa hoje três anos sem a resposta de quem são os culpados pelo acidente no qual morreram 199 pessoas. A expectativa do Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo é analisar os inquéritos preparados pelas polícias Civil e Federal é definir uma posição sobre o caso até o fim deste ano.

O procurador Rodrigo de Grandis, responsável pelo caso, não se manifestará até lá, segundo nota do MPF. Ao todo, todos os documentos reunidos até aqui somam cerca de 5 mil páginas, divididas em 113 volumes. O órgão ressaltou a necessidade de avaliar cuidadosamente as provas colhidas no inquérito, "o que leva tempo".

"É doloroso todo esse tempo. Mas a gente sabe que é complexa a investigação", afirmou o presidente da Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ3054 (Afavitam), Dário Scott. Para ele, o mais importante é que o caso seja esclarecido, independentemente do prazo. "A nossa expectativa é o quanto antes. Se for ter de aguardar até o fim do ano, esperamos que todos os responsáveis sejam apontados."

O procurador da República tem nas mãos dois documentos distintos, um produzido pela Polícia Civil e outro pela Federal, além do relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). A investigação da Polícia Civil, concluída em novembro de 2008, resultou no indiciamento de 10 pessoas, entre funcionários da TAM, da Agência Nacional de Aviação Civil e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), por atentado contra a segurança do transporte aéreo. A polícia pediu ainda à Justiça a indicação da Airbus como responsável pelo acidente. Mais tarde, suspendeu-se o indiciamento, uma vez que a investigação da PF estava em curso. Esta, por sua vez, concluiu sua apuração em outubro de 2009 e culpou duas pessoas pela tragédia: os comandantes do voo 3054, Kleber Lima e Henrique Stefanini Di Sacco. Para a PF, os dois manusearam as manetes erroneamente, perdendo o controle do avião. Também em outubro do mesmo ano, o Cenipa anunciou que uma série de fatores contribuiu para que o A320 atravessasse a pista de Congonhas e se chocasse contra o prédio de cargas da TAM na Avenida Washington Luís.

Na avaliação do Cenipa, o treinamento de Di Sacco era falho. Apontou ainda falhas dentro da coordenação da cabine do voo e na supervisão gerencial da TAM. Em relação às manetes, constatou-se a possibilidade de pousar com ambas em posições distintas sem que algum dispositivo alertasse os pilotos. As informações são do Jornal da Tarde

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host