UOL Notícias Notícias
 
19/08/2010 - 10h30

Em SP, campanha antirrábica muda após efeito colateral

São Paulo - Cachorros pequenos e gatos estão apresentando reações adversas intensas depois de tomar a vacina antirrábica da campanha da Prefeitura de São Paulo. A morte de um felino na zona leste, supostamente em decorrência da imunização, está sendo investigada pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). O órgão admite o problema e diz que não divulga o número de ocorrências porque está fazendo uma estatística dos casos. A vacinação, que começou dia 16, já imunizou 80 mil animais.

A recomendação do CCZ é que os donos fiquem tranquilos e continuem a levar seus animais para vacinar. A única mudança na campanha é que fêmeas à espera de filhotes não estão sendo imunizadas. Em Guarulhos, a prefeitura suspendeu a vacinação depois que 38 bichos passaram mal e três morreram.

Segundo donos de felinos que tiveram reações à vacina, os animais apresentaram sonolência excessiva, fraqueza, vômito, náuseas, falta de apetite, febre e dificuldades de locomoção que duraram até três dias depois de receber a medicação.

As vacinas são fornecidas pelo Ministério da Saúde. Neste ano, está sendo usado um tipo diferente da utilizada em outras campanhas. Segundo o ministério, Estados do Nordeste e os que fazem fronteira com a Bolívia aplicaram a vacina com essa tecnologia em 2009 e não tiveram problemas.

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), fabricante do produto, explicou que reações podem ocorrer em 30% dos vacinados. Os casos de óbitos são bem mais raros: 0,01%. O instituto informou ainda que os gatos são mais sensíveis. "Estamos acompanhando tudo de perto", afirmou a veterinária Ana Claudia Furlan Mori, gerente do CCZ de São Paulo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host