UOL Notícias Notícias
 
30/08/2010 - 17h15

Petróleo fecha em queda de 0,63% a US$ 74,70 o barril

Nova York - Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda, depois de três sessões seguidas de altas. Investidores acreditam que os dados econômicos que serão divulgados essa semana mostrem que a recuperação permanece frágil.

Os contratos de petróleo com entrega para outubro fecharam em queda de US$ 0,47 (0,63%), a US$ 74,70 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). Na plataforma ICE, o petróleo do tipo Brent com entrega para outubro fechou com queda de US$ 0,05, a US$ 76,60, em meio a um pequeno volume de negócios, devido a um feriado bancário no Reino Unido.

O petróleo recuou hoje após ter subido acima de US$ 75 o barril na sexta-feira, superando a marca pela primeira vez desde 18 de agosto, após o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, afirmar que o banco central tem as ferramentas para dar suporte à frágil economia. O rali nas últimas três sessões da semana passada fez com que o petróleo se recuperasse, após chegar próximo de US$ 70 o barril na terça-feira.

"Os mercados de ações e petróleo têm recebido um suporte da política do Fed", disse Phil Flynn, da PFG Best. "Não são os dados sobre oferta e demanda que estão guiando o petróleo no momento", acrescentou.

Os preços do petróleo têm seguido fortemente os dados econômicos e outros sinais sobre a demanda futura, incluindo o mercado de ações, em meio aos receios sobre a capacidade de os EUA e o restante do mundo de consumirem os estoques da commodity, que estão em níveis elevados. Hoje o Departamento de Comércio dos EUA divulgou que os gastos do consumidor subiram 0,4% em julho, em linha com as previsões dos analistas.

"Todos vão ficar analisando os dados econômicos que serão divulgados nos próximos dias", disse Tony Rosado, corretor da GA Global Markets. "Normalmente nesta época, próximo ao Dia do Trabalho, os preços do petróleo caem. Seria preciso que os mercados de ações tivessem uma forte alta para que o petróleo subisse."

Enquanto isso, um relatório do Departamento de Energia (DOE) divulgado na semana passada mostrou que os estoques comerciais de petróleo e derivados estão no nível mais alto em quase 27 anos, e analistas esperam um novo aumento no relatório desta semana, que será divulgado na quarta-feira. Os estoques de petróleo bruto devem aumentar em 1,3 milhão de barris, segundo analistas ouvidos pela Dow Jones.

Após atingir US$ 82 no começo de agosto, o petróleo tem caído, acompanhando o declínio do otimismo dos fundos de hedge e outros gestores de recursos. Dados divulgados na sexta-feira pela Comissão de Comércio de Futuros de Commodities (CFTC) mostraram que os administradores de recursos reduziram suas posições "compradas" líquidas nos futuros de petróleo da Nymex em 33% na semana encerrada em 24 de agosto. O grupo manteve uma posição comprada líquida de 73.475 contratos, de 108.874 contratos na semana anterior. As informações são da Dow Jones.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,40
    3,181
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    2,01
    70.011,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host