UOL Notícias Notícias
 

29/10/2008 - 17h25

Itália: Oposição prepara plebiscito sobre reforma na Educação

ANSA
ROMA, 29 OUT (ANSA) - O político italiano Walter Veltroni, do Partido Democrático (PD), líder da oposição ao governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, promoverá um plebiscito sobre o plano de reforma na Educação, aprovado hoje pelo Senado.

A medida de reforma educacional, proposta pela ministra da Educação italiana, Mariastella Gelmini, prevê mudanças como a adoção de um único professor por classe, da nota de comportamento e o uso de um mesmo livro didático para cinco anos letivos. Durante as últimas semanas, estudantes e políticos da oposição realizaram uma série de protestos contra sua aprovação. Os manifestantes afirmam que o verdadeiro objetivo a mudança é apenas reduzir os custos do governo com a educação.

Veltroni acusou hoje o governo italiano de ter "ignorado um movimento civil que deve ser respeitado em sua autonomia". O líder da oposição afirma que "o governo não quis ouvir nenhum dos que pediam a rejeição do decreto, e recusou o debate com o mundo da escola, a maioria do qual é crítica ao decreto".

Sobre a consulta popular, Veltroni admite que este recurso deve ser usado "com parcimônia", mas reforça que "a escola e a universidade são temas importantíssimos e as medidas propostas pelo governo deixarão efeitos sérios sobre o sistema educacional".

Para que seja realizado, porém, o plebiscito deverá enfrentar problemas legais, uma vez que a lei italiana não prevê a realização desse tipo de iniciativa para discutir temas que tenham relação com o orçamento do governo.

"Estamos estudando com atenção estes quesitos, para que a consulta abranja a maior parte do texto, sem esbarrar nas proibições legais", explicou Veltroni.

Em resposta, o ministro da Defesa Ignazio La Russa, afirmou que, caso a consulta seja mesmo realizada, "será constatado que 70% dos italianos são favoráveis ao decreto".

"Acredito que com um pouco de esforço conseguirão as assinaturas necessárias e talvez eu também assine. Depois da desinformação, das manifestações em praça pública e da agitação dos ânimos, finalmente será o tempo de explicar a verdadeira natureza do decreto", explicou La Russa.

Enquanto Veltroni planeja o plebiscito, estudantes ligados aos setores da extrema direita e da esquerda entraram em confronto em Roma e Milão. A polícia interveio e formou um bloqueio para dividir os dois grupos.

Hoje, os sindicatos italianos manifestaram apoio aos estudantes e ao PD e criticaram o decreto do Ministério da Educação. "Damos, portanto, o nosso sustento à luta do movimento estudantil, e respeitamos sua autonomia e independência. Pedimos o apoio para a nossa batalha, pois queremos juntos viver em um país mais justo", disse o secretário-geral do sindicato Funzione Pubblica-CGIL, Carlo Podda. (ANSA)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host