UOL Notícias Notícias
 

16/01/2009 - 09h26

Ministro da Defesa italiano isenta França de responsabilidade em caso Battisti

ANSA
ROMA, 16 JAN (ANSA) - O ministro da Defesa da Itália, Ignazio La Russa, afirmou nesta sexta-feira que a responsabilidade pela concessão do refúgio político ao ex-ativista italiano Cesare Battisti é do Brasil, negando assim a influência do presidente francês, Nicolas Sarkozy, na decisão.

"Os boatos são consequentes da intervenção anterior a favor de uma outra terrorista. A interessada era a esposa do presidente (Carla Bruni), mas não há outros elementos sobre o tema e, por isso, acredito que a responsabilidade é do Brasil", disse o ministro ao comentar as notícias de que o governo francês havia intercedido junto ao Brasil a pedido de Fred Vargas, amiga de Battisti e da primeira-dama da França, Carla Bruni.

Em entrevista ao programa de TV 'Panorama del Giorno', La Russa, porém, voltou atrás em suas declarações feitas na quinta-feira, de que iria à embaixada brasileira reclamar sobre o caso, explicando que o necessário é que o Brasil "entenda que as relações bilaterais não serão as mesmas após esse insulto, essa ofensa".

Para o ministro, a principal "ofensa" não é ter concedido o refúgio, mas o motivo da decisão. "Disseram que se ele voltasse à Itália seria provavelmente perseguido, mas não se sabe por qual autoridade", questionou.

Também hoje a França voltou a negar que Sarkozy tenha interferido no caso. "Diferentemente de algumas declarações públicas a decisão referente a Battisti não tem importância à França e não foi solicitada por Carla Bruni e nem por Sarkozy ao governo brasileiro", ratifica um comunicado do Palácio do Eliseu.

Ontem, em declarações à ANSA, o governo francês já havia desmentido que tivesse realizado qualquer tipo de interferência no caso, como haviam afirmado o advogado de Battisti, Eric Turcon, e o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera.

Na última terça-feira, o ministro da Justiça, Tarso Genro, decidiu pelo status de refugiado político, o que garante que Battisti deixe a prisão de Papuda, em Brasília. Genro afirmou que sua decisão foi baseada na "existência fundada de um temor de perseguição" contra Battisti, que alega inocência.

O ex-ativista de extrema-esquerda, de 54 anos, foi condenado em 1993 na Itália à prisão perpétua por quatro assassinatos que teriam sido cometidos na década de 70 enquanto militava no Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), grupo ligado às Brigadas Vermelhas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host