UOL Notícias Notícias
 

09/04/2009 - 15h19

Bolívia: Deputado brasileiro quer levar polêmica por lei eleitoral ao Parlasul

ANSA
BRASÍLIA, 9 ABR (ANSA) - O deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR) afirmou nesta quinta-feira que pretende propor ao Parlamento do Mercosul (Parlasul), entidade da qual é vice-presidente, uma discussão sobre a crise política desencadeada na Bolívia por causa da aprovação do novo Código Eleitoral do país.

Hoje, o presidente boliviano, Evo Morales, iniciou uma greve de fome para exigir a ratificação da medida, que segue sendo discutida pelo Congresso e é amplamente contestada pela bancada oposicionista.

Para o governo, o novo Código Eleitoral é necessário para garantir a realização das eleições programadas para o dia 6 de dezembro, convocadas após a promulgação da nova Constituição do país e nas quais Morales tentará um novo mandato.

"Estou considerando a possibilidade de apresentar [no Parlasul] uma moção em defesa da democracia e contra o golpismo na Bolívia", disse o parlamentar brasileiro à ANSA. "Estas eleições já foram acordadas e aprovadas, e se este quadro se prolongar será necessário que o Parlasul se pronuncie."

A próxima reunião plenária do Parlasul será realizada na semana que vem em Buenos Aires, capital da Argentina.

O deputado afirmou também que a decisão do presidente Evo Morales é uma resposta ao que definiu como uma "atitude golpista" da oposição.

Ele recordou a crise política vivida pelo país andino em setembro do ano passado, quando militantes ligados à oposição promoveram uma série de violentos protestos nos departamentos (estados) do leste do país, cujos governos são críticos a Morales.

"O presidente reage ante uma nova atitude golpista da oposição, em que vemos que se reitera o comportamento de setembro do ano passado, quando foram promovidas sabotagens e ações violentas", explicou o Dr. Rosinha.

O novo Código Eleitoral boliviano, apresentado pelo governo, enfrenta uma forte rejeição de políticos opositores, que questionam especialmente as regras que regerão os votos de bolivianos que vivem fora do país e a intenção de destinar 14 das 127 cadeiras do Legislativo à população indígena.

Sob a coordenação do vice-presidente Álvaro García Linera, que também preside o Congresso, o Legislativo busca um consenso para levar adiante o pacote de leis. O debate chegou a um impasse depois que a medida foi aprovada pela Câmara, onde a maioria é governista, e acabou barrada no Senado, controlado pela oposição.

Espera-se que as discussões sejam encerradas amanhã. Caso o Código não seja ratificado, a bancada ligada a Morales ameaça renunciar, o que na prática paralisaria qualquer outra discussão no Congresso.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h59

    -0,82
    3,256
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h06

    1,42
    64.123,60
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host