UOL Notícias Notícias
 

22/04/2009 - 10h12

Bolívia: Governo informa corpo diplomático sobre 'plano terrorista'

ANSA
LA PAZ, 22 ABR (ANSA) - O governo boliviano entregou na noite de ontem um informe ao corpo diplomático sobre a operação realizada pela polícia boliviana na última quinta-feira, que terminou na morte de três supostos terroristas.

Os três homens -- um irlandês, um romeno de origem húngara e um boliviano, com cidadanias húngara e croata -- foram mortos na madrugada de quinta-feira durante investigações das autoridades bolivianas sobre um plano para assassinar o presidente Evo Morales.

Em visita à Venezuela na última semana, Morales denunciou que o grupo, formado por "mercenários estrangeiros", pretendia atentar contra sua vida e a do vice-presidente do país, Álvaro García Linera.

Ao tomar conhecimento da ação, os governos de Irlanda, Croácia e Hungria pediram à Bolívia informes sobre as circunstâncias da operação e provas de que seus cidadãos haviam participado de um plano terrorista.

Com as informações aos representantes estrangeiros, o governo boliviano procurou também sanar as acusações das autoridades políticas e cívicas de Santa Cruz de la Sierra, onde ocorreu o incidente. Para a oposição, o governo teria armado este plano para prejudicar politicamente seus adversários.

García Linera, que assumiu a presidência enquanto Morales está fora do país, convocou os diplomatas para ratificar sua denúncia de "um plano terrorista" que envolveu cidadãos estrangeiros.

No último domingo, o vice-presidente havia declarado que estas três pessoas faziam parte de "uma estrutura conspiratória e terrorista", cujas atividades eram financiadas por "pessoas vinculadas a atividades empresariais" em Santa Cruz.

Segundo o porta-voz oficial, Iván Canelas, o incidente de quinta-feira passada comprovou a denúncia "feita há muito tempo, quando o presidente disse, com base nos dados obtidos, que um magnicídio estava sendo preparado".

"A prova está aqui, para esses senhores que não são anjinhos", afirmou Canelas, declarando que o governo, agora, espera "que o Ministério Público cumpra sua tarefa".

Na última sexta-feira, a Organização dos Estados Americanos (OEA) considerou como "gravíssimos" os planos para assassinar Morales e condenou a ação do suposto grupo terrorista.

Após uma reunião com o chanceler boliviano, David Choquehuanca, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, declarou que "há evidências claras de que existiu um grupo que tentou [perpetrar] atentados terroristas na Bolívia contra o presidente e o vice-presidente e outras pessoas do governo e provavelmente outras ações com o fim da desestabilização do governo constitucional da Bolívia".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h40

    -0,68
    3,151
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h46

    0,43
    68.647,88
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host