UOL Notícias Notícias
 

18/06/2009 - 18h56

Argentina-Eleições: Candidatura de suposto repressor é rejeitada

ANSA
BUENOS AIRES, 18 JUN (ANSA) - A Câmara Nacional Eleitoral da Argentina rejeitou hoje a candidatura do ex-agente policial Luis Patti, que pretendia disputar uma vaga na Câmara dos Deputados e responde a processo por crimes de lesa-humanidade cometidos durante a ditadura militar que governou o país entre 1976 e 1983.

Para tomar a decisão, a entidade alegou "falta de idoneidade do candidato", que na ditadura foi subcomissário da polícia de Buenos Aires e atualmente está preso no centro de detenção de Marcos Paz. O pedido de impugnação foi feito por familiares de vítimas do regime militar e pelo Centro de Estudos Legais e Sociais (Cels).

O tribunal aprovou por unanimidade a reivindicação dos filhos do ex-deputado Diego Muñiz Barreto, sequestrado e assassinado em 1977, e do ex-militante Osvaldo Cambiasso, morto em maio de 1983.

As duas mortes são atribuídas a Patti. O ex-agente policial, que está preso desde o fim do ano passado, já foi impedido anteriormente de assumir uma cadeira no Congresso, para a qual havia sido eleito. O fato influenciou a Câmara Nacional Eleitoral para barrar sua nova tentativa.

De acordo com o órgão regulador eleitoral, Patti "não pode voltar a concorrer até que resolva sua situação penal de forma definitiva". Além disso, as autoridades creem que a candidatura a deputado dificultaria o andamento das investigações dos crimes atribuídos a ele, pois uma eventual eleição daria ao ex-agente direito a foro privilegiado.

A resolução final está incluída em um documento de mais de 40 páginas, que classifica o caso de Patti como "extraordinário". O texto ressalta que é proibida a candidatura "de pessoas que cumprem prisão preventiva".

O relatório sobre a decisão explica que o processo do ex-agente "apresenta evidentes particularidades que merecem um regime jurídico especial ou uma norma que pondere esta situação peculiar".

A Argentina não tem uma lei específica que regulamente casos como o de Patti, mas tramita no Senado um projeto que impede o acesso ao Congresso de pessoas acusadas de crimes de lesa-humanidade ou de envolvimento com a repressão da ditadura.

A decisão de hoje ocorreu em caráter de apelação, já que o juiz federal Manuel Blanco havia autorizado a candidatura, sob o argumento de que Patti ainda não foi julgado e condenado.

No dia 28 de junho, os argentinos irão às urnas para renovar metade da Câmara dos Deputados e um terço do Senado.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host