UOL Notícias Notícias
 

25/06/2009 - 11h15

Procuradoria-Geral do México assume investigações sobre incêndio em creche

ANSA
CIDADE DO MÉXICO, 25 JUN (ANSA) - A Procuradoria-Geral do México assumiu as investigações do incêndio de uma creche em Hermosillo, capital do estado de Sonora, que causou a morte de 47 crianças no último dia 5.

O procurador-geral da República, Eduardo Medina Mora, assegurou que serão executadas ações penais "contra todos os prováveis responsáveis", sejam eles funcionários do setor público ou privado.

Até o momento, 19 pessoas foram acusadas de homicídio, lesão culposa e exercício indevido de serviço público. Destes, cinco são funcionários do Instituto Mexicano de Segurança Social (IMSS) que tinha sub-rogado o estabelecimento a uma empresa particular.

As famílias das vítimas criticaram o envolvimento de autoridades federais e estatais na tragédia e expressaram, em uma coletiva de imprensa, falta de confiança nas investigações, além de pedirem a criação de uma procuradoria especial para o caso.

O governo de Sonora, por sua parte, acusa o presidente Felipe Calderón de proteger funcionários federais e tentar culpar a administração local pelo incêndio.

Eduardo Bours, governador de Sonora e membro do Partido Revolucionário Institucional (PRI), disse que o mandatário está atuando "a favor dos interesses dos candidatos" do conservador Partido da Ação Nacional (PAN), do qual Calderón faz parte.

Bours se referia aos candidatos governistas às eleições do próximo dia 5, que renovará os 500 deputados da Câmara Baixa, além de governadores, prefeitos e legisladores locais em 11 dos 32 estados do país.

Por sua parte, o ministro do Interior, Fernando Gómez Mónt, qualificou de falsas e injustas as declarações de Bours.

O incêndio, que aconteceu na Creche ABC, começou depois que chamas que atingiam um galpão da Secretaria da Fazenda de Sonora passaram para a entidade, que fica ao lado. O telhado da creche era revestido por poliuretano, um tipo de polímero altamente tóxico. A fumaça gerada pela combustão do material acabou intoxicando as crianças.

Ontem foi confirmada a morte da 47ª criança. Ximena Alvarez, de três anos, estava internada no Hospital Infantil de Sonora e teve 65% de seu corpo atingido por queimaduras de terceiro e quarto graus.

Segundo Raymundo López Vucovich, secretário de Saúde Pública do estado, outras 20 crianças continuam hospitalizadas, distribuídas em unidades de saúde de estados próximos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host