UOL Notícias Notícias
 

30/06/2009 - 14h45

Assembleia Geral da ONU aprova moção de apoio a Manuel Zelaya

ANSA
NOVA YORK, 30 JUN (ANSA) - A Assembleia Geral da ONU aprovou hoje por unanimidade, com os respaldos de Brasil e Estados Unidos, uma resolução que condena o golpe de Estado em Honduras e pede a restituição imediata e incondicional do presidente Manuel Zelaya, deposto no domingo pelas Forças Armadas.

Diversas autoridades do continente americano participam hoje, em Nova York, de uma reunião extraordinária convocada pelo presidente da Assembleia Geral da ONU, Miguel D'Escoto. O próprio Zelaya foi convidado a discursar no local.

O documento aprovado nesta terça-feira "condena o golpe de Estado em Honduras, que rompeu com a ordem democrática constitucional no país, e pede a imediata e incondicional restauração do governo legítimo do presidente Zelaya", disse Jorge Reina, embaixador permanente de Honduras ante a ONU.

Reina pediu a todos os países que não reconheçam "nenhum outro governo que não seja o do presidente Zelaya". O mandatário hondurenho foi preso na madrugada do último domingo por oficiais militares e levado à força para a Costa Rica.

De lá, ainda no domingo, um avião cedido pela Venezuela o levou até a Nicarágua, onde ontem ocorreram encontros de diferentes blocos de integração e consulta latino-americanos, como a Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), o Sistema de Integração Centro-Americano (Sica) e o Grupo do Rio.

Zelaya recebeu o apoio de vários governos e entidades multilaterais, entre elas a ONU e a Organização dos Estados Americanos (OEA). Os países da Alba decidiram retirar seus embaixadores de Honduras até que a ordem democrática seja restabelecida. Ontem, o presidente anunciou que voltará a seu país na quinta-feira. "Gostem ou não os golpistas, voltarei na quinta-feira", disse, ainda na Nicarágua. Algumas autoridades deverão acompanhá-lo, como o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, e a presidente da Argentina, Cristina Kirchner.

Após a destituição de Zelaya, o Congresso de Honduras nomeou para substituí-lo o então presidente da casa, Roberto Micheletti. A crise política tem como motivo uma consulta que ocorreria no domingo e que poderia dar início a um processo de reforma constitucional.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host