UOL Notícias Notícias
 

09/07/2009 - 10h10

G8: Junto a outros emergentes, China defende reforma do sistema monetário

ANSA
L'AQUILA, 9 JUL (ANSA) - A China, que participa hoje das sessões do segundo dia da 35ª Cúpula do G8, na cidade italiana de L'Aquila, defendeu uma reforma gradual do sistema monetário internacional, ratificando seu pedido por uma nova moeda de reserva mundial.

Segundo o diretor dos serviços de imprensa e informação do Ministério das Relações Exteriores chinês, Max Daoxu, seu país acredita na necessidade de um sistema mais "racional" para garantir a estabilização das taxas de câmbio.

"Queremos regras mais eficazes para uma relativa estabilidade das taxas de câmbio", que não propiciem a desvalorização nas trocas e que "favoreçam um regime mais razoável e diferenciado", disse Max Daoxu.

O presidente chinês, Hu Jintao, que havia viajado no domingo à Italia, para participar da reunião, decidiu antecipar na última terça-feira o seu retorno à China, por isso não participou da sessão de trabalho do G8 junto aos emergentes.

Contudo, ele foi representado por uma delegação de seu país. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva também esteve presente no encontro, assim como os chefes de Governo de México, Índia, Egito e África do Sul.

Em declarações à imprensa, o porta-voz chinês também afirmou que seu país apreciou o papel desenvolvido pelo premier italiano, Silvio Berlusconi, na condução do grupo formado por Itália, Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Japão e Rússia.

A administração de Berlusconi garantiu "equidade e respeito a todos os países participantes" do encontro, disse Daoxu, reconhecendo os esforços do premier para assegurar que todos os participantes exprimam suas posições.

Questionado sobre o acordo firmado ontem em relação às mudanças climáticas, o porta-voz disse que este não vincula a China, que considera fundamental que os países desenvolvidos analisem "as diversas condições" dos países emergentes e em vias de desenvolvimento, esclareceu o assessor.

Na declaração oficial do encontro, à qual ANSA teve acesso, as potências se comprometem a reduzir em 80% as suas emissões de gases causadores do efeito estufa até 2050.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h09

    0,32
    3,290
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h18

    -0,41
    62.996,97
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host