UOL Notícias Notícias
 

05/12/2009 - 11h54

Bolívia vive primeiras eleições sob vigência de nova Constituição

ANSA
LA PAZ, 5 DEZ (ANSA) - A Bolívia viverá neste domingo suas primeiras eleições nacionais desde que entrou em vigor a nova Constituição do país, aprovada em referendo e promulgada no início do ano.

No pleito, além de presidente, serão eleitos 36 senadores e 130 deputados para compor a Assembleia Plurinacional Legislativa, que substituirá o atual Congresso.

Na disputa pelo Poder Executivo, o favorito à vitória, de acordo com as pesquisas, é o atual presidente, Evo Morales, do partido Movimento ao Socialismo (MAS).

Eleito pela primeira vez em 2005 para ser o primeiro governante indígena de um país em que 60% da população descende de povos originários, Morales poderá tentar seu segundo mandato consecutivo graças justamente à aprovação da nova Carta Magna, que instituiu a inédita possibilidade de reeleição.

Para o pleito deste domingo, ele detém entre 50% e 60% das intenções de voto, o que lhe asseguraria o triunfo ainda no primeiro turno. Seu principal adversário é o ex-governador Manfred Reyes Villa, do Plano Progresso para a Bolívia (PPB). Há outros seis postulantes, mas todos praticamente fora da disputa.

Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa obter mais de 50% dos votos válidos. Outra hipótese é conseguir pelo menos 40% e abrir uma vantagem de 10% em relação ao segundo colocado.

O opositor Reyes Villa detém cerca de 20% das preferências, segundo as pesquisas, e enfrenta problemas com a justiça. Ele está impedido de deixar o país por causa de supostas irregularidades envolvendo obras públicas referentes à época em que foi o governador do departamento (estado) de Cochabamba.

Seu companheiro de chapa, Leopoldo Fernández, está preso há 14 meses devido às mortes de pelo menos 11 camponeses simpáticos a Morales ocorridas em setembro do ano passado, quando governava o departamento de Pando.

Estão habilitados para comparecer às urnas 5,1 milhões de eleitores. Pela primeira vez, além disso, poderão votar bolivianos que vivem no Brasil (são 18.616 inscritos), Argentina (50.602), Espanha (90.357) e Estados Unidos (11.085).

Outra novidade trazida por este processo será o uso do sistema biométrico -- que armazena eletronicamente os dados pessoais dos eleitores, com foto, assinatura e impressão digital. O novo padrão foi adotado por pressão de opositores, para os quais o antigo cadastro estava muito desatualizado e criava brechas para fraudes.

Autonomias

Em nível regional, as populações dos departamentos de Chuquisaca, Cochabamba, La Paz, Oruro e Potosí ainda poderão se pronunciar sobre a autonomia de seus estados em relação ao governo central.

Anteriormente, em um referendo sobre o tema realizado em 2006, as cinco regiões haviam dito "não" à iniciativa. Em contrapartida, outros quatro departamentos -- Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija -- aprovaram a mudança.

Em alguns dos 327 municípios do país haverá também votação sobre a autonomia indígena, um tipo de jurisdição específica que permitirá aos povos locais tomar decisões com base em suas tradições e costumes.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,29
    3,167
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h18

    -0,17
    74.318,72
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host