UOL Notícias Notícias
 

10/12/2009 - 21h28

No Chile, terceiro colocado acredita que irá a segundo turno de eleições

ANSA
SANTIAGO DO CHILE, 10 DEZ (ANSA) - O deputado Marco Enríquez-Ominami, candidato independente à presidência do Chile, disse hoje estar confiante na possibilidade de passar ao segundo turno da disputa, em que enfrentaria o opositor Sebastián Piñera, apontado como favorito pelas pesquisas.

Ominami, hoje, é o terceiro colocado, ficando também atrás de Eduardo Frei, da coalizão governista Concertación. Ainda assim, ele demonstrou entusiasmo para a votação deste domingo.

"Segundo as nossas pesquisas, não apenas superamos os 20%, mas também passamos para o segundo turno", afirmou ele, em uma entrevista concedida em Santiago.

"Esta é a minha última entrevista como candidato. Na segunda-feira, começa uma etapa distinta, mais rápida", em que serei "o representante de muitos no segundo turno", disse o deputado, que abandonou a Concertación porque foi excluído das internas da agremiação para a ocorrida presidencial.

Ominami também buscou relacionar sua candidatura à atual presidente, Michelle Bachelet, cujos índices de aprovação superam os 70%.

"Da mesma maneira que a presidente [Michelle] Bachelet demonstrou que uma mulher pode governar, quero provar que um jovem pode presidir o Chile para defender os mais velhos", declarou Ominami.

O candidato abordou ainda o tema das violações dos direitos humanos ocorridas durante a ditadura do general Augusto Pinochet, entre 1973 e 1990.

"Fui exilado quando tinha cinco meses e me qualificaram como terrorista. Era um perigo para o Chile aos cinco meses de idade", ironizou. "Foi o que fizeram os amigos de Sebastián Piñera", acrescentou Ominami, que em 1974 perdeu o pai, Miguel Enríquez, fundador do Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR), assassinado pelo regime militar.

"Tive de esperar 13 anos para voltar ao Chile. Não quero que essa injustiça se repita. Por isso, quero um governo progressista, não com Sebastián Piñera. Sofri muito, mas sou um homem que não vive carregado de ódios", afirmou o candidato, que tem 36 anos e se tornou a principal novidade das eleições chilenas.

Pesquisa

Nesta semana, o Centro de Estudos da Realidade Contemporânea divulgou uma pesquisa na qual Piñera, empresário e um dos homens mais ricos do Chile, aparece com 44,1% das intenções de voto, contra 31% de Frei, que já foi presidente entre 1994 e 2000, e 17,7% de Ominami.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host