UOL Notícias Notícias
 

14/12/2009 - 12h25

Itália: Ministro adverte que Berlusconi poderia ter sido morto no ataque de ontem

ANSA
MILÃO, 14 DEZ (ANSA) - O ministro do Interior da Itália, Roberto Maroni, que analisava esta manhã as "falhas" da segurança que possibilitaram a agressão contra Silvio Berlusconi após um comício em Milão, afirmou que o primeiro-ministro poderia ter sido morto.

"Berlusconi estava em risco de ser ferido gravemente, de ter sido assassinado", afirmou Maroni, após participar de uma reunião na prefeitura da cidade italiana, na qual se discutiu o ataque cometido ontem por um homem que -- sem ser impedido pela segurança -- conseguiu agredir o premier lançando um objeto contra o seu rosto.

Berlusconi sofreu uma fratura no nariz, quebrou dois dentes e teve ferimentos no lábio superior. Ele está internado desde ontem no hospital San Raffaele, onde deverá permanecer por pelo menos mais um dia.

O ministro também anunciou que serão avaliadas novas medidas para proteger o premier. "As pessoas envolvidas com a segurança de Berlusconi são profissionais. É necessário, porém, saber que a segurança do presidente do Conselho [de Ministros] fica a cargo do serviço secreto e não do Ministério do Interior. Avaliaremos como fazer no futuro", explicou.

Maroni disse ainda que nos próximos dias será estudada a possibilidade de que a polícia e as demais forças de ordem sejam dotadas de maiores instrumentos para garantir a segurança de quem participa de manifestações públicas.

"É uma avaliação da qual já encarreguei os escritórios do ministério, seja sobre a gestão da ordem pública, seja pelo controle de manifestações violentas na internet, que hoje podem ser feitas sem que ninguém consiga interferir", acrescentou.

O ministro também lembrou que é muito mais difícil garantir a segurança de alguém em um lugar público do que em um local fechado, como, por exemplo, em um estádio.

"Berlusconi tem todo o direito de se aproximar de seus simpatizantes porque esta é a democracia e a política", completou o ministro.

Esta não é a primeira vez que Berlusconi é agredido em público. Em dezembro de 2004, quando exercia seu segundo mandato como primeiro-ministro, ele foi atingido por uma máquina fotográfica em Roma.

Na ocasião, o homem, identificado por Roberto Dal Bosco, declarou ter cometido a agressão por "ódio". Algum tempo depois, ele enviou uma carta ao primeiro-ministro pedindo desculpas pelo ocorrido.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host