UOL Notícias Notícias
 

16/12/2009 - 12h24

Pai do agressor de Berlusconi diz temer que o filho cometa suicídio

ANSA
MILÃO, 16 DEZ (ANSA) - O pai de Massimo Tartaglia -- o homem que atirou um objeto de ferro no rosto do premier italiano, Silvio Berlusconi -- disse temer que o filho, que possui problemas mentais, se suicide na prisão, para onde foi encaminhado no último domingo."Ele não pode ficar na cadeia porque está mal. Não pode ficar com os outros presos. Tenho medo de um gesto imprudente", lamentou Alessandro Tartaglia em um programa da emissora italiana Raiuno."Quando minha mulher viu seus olhos [do filho] na televisão, entendeu que estava com uma das suas crises", acrescentou o pai do agressor.No último domingo, Massimo Tartaglia se aproximou de Silvio Berlusconi após um comício em Milão e arremessou contra seu rosto uma miniatura do Duomo (catedral) da cidade. O premier foi levado imediatamente ao hospital, onde constatou-se uma fratura no septo nasal, além de dois dentes quebrados e um corte no lábio."Espero que [Berlusconi] o perdoe, mas temo que desta vez não o faça, porque é a segunda vez que o atacam", explicou Alessandro.Em dezembro de 2004, o primeiro-ministro italiano foi atingido por uma máquina fotográfica em Roma, quando exercia seu segundo mandato como premier. Na ocasião, o agressor, Roberto Dal Bosco, declarou ter cometido o ataque por "ódio". Algum tempo depois, ele enviou uma carta a Berlusconi pedindo desculpas.Massimo Tartaglia também já enviou uma carta ao primeiro-ministro com o mesmo pedido.Ainda na entrevista, Alessandro lamentou o isolamento da família Tartaglia após a agressão. "Temos tido pouquíssima solidariedade das pessoas, enquanto tanta gente nos ofende e nos injuria. Não desejo a nenhuma família o que nos está acontecendo", disse.O pai também refutou as informações divulgadas pela imprensa de que Massimo tinha acesso a um vasto material impresso sobre o premier italiano. "Em casa nunca tivemos revistas sobre Berlusconi", negou."Meu filho é simplesmente doente. Não odeia Berlusconi e precisa ser curado. Nós sempre tentamos protegê-lo", completou Alessandro Tartaglia.A prisão cautelar de Massimo -- que responde a processo por crime de lesão corporal qualificada -- foi ratificada hoje pela juíza Cristina Di Censo, responsável pelo caso. Ele permanecerá no presídio San Vittore, com acompanhamentos psiquiátrico e visual contínuos, pelo menos até a conclusão das investigações.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,84
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,35
    68.594,30
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host