UOL Notícias Notícias
 

22/12/2009 - 18h30

Berlusconi diz ter perdoado homem que o agrediu no rosto

ANSA
ROMA E MILÃO, 22 DEZ (ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, disse hoje ter perdoado Massimo Tartaglia, que atirou uma estatueta de ferro contra seu rosto no último dia 13 após um comício em Milão, ferindo-lhe o nariz e a boca.

De acordo com relatos feitos à ANSA, o premier falou sobre o assunto de sua casa, em Arcore, na Lombardia, durante uma conferência feita por telefone na sede de seu partido, o Povo da Liberdade (PDL).

Segundo as fontes, Berlusconi deixou claro, porém, que o gesto de atacar o presidente do Conselho de Ministros e, em consequência, a instituição que ele representa, não pode ser subestimado.

O chefe de Governo recomendou que a magistratura italiana julgue a agressão tendo em mente o risco de que o ato abra um precedente, o que segundo ele permitiria a qualquer um atacar o premier.

Massimo Tartaglia, de 42 anos, foi preso imediatamente após atirar a miniatura do Duomo (catedral) de Milão contra o rosto do premier. O agressor sofre de problemas mentais e foi acusado de lesão corporal qualificada.

Logo após ser detido, o italiano mandou uma carta a Berlusconi na qual pedia desculpas e dizia não se reconhecer no gesto, classificado por ele próprio como "superficial, covarde e irresponsável".

O primeiro-ministro teria afirmado que perdoou Tartaglia "humanamente" e justificou a atitude dizendo que não sabe guardar rancor.

De acordo com as fontes, Berlusconi lembrou ainda que se a miniatura houvesse atingido seu rosto alguns centímetros acima, ele teria terminado "embaixo da terra" ou perdido um olho.

Ainda no dia 13, o premier foi levado ao hospital, onde permaneceu por quatro dias. Ele teve uma fratura no nariz, sofreu um corte no lábio superior e quebrou dois dentes. Ao receber alta, na quinta-feira, o presidente do Conselho de Ministros foi para casa, onde deve repousar afastado das atividades públicas por até 15 dias.

O anúncio do perdão foi bem recebido pelos familiares de Massimo Tartaglia. O pai do agressor, Alessandro Tartaglia, disse estar "grato" pela atitude do premier. "Estou contente pelo gesto e ficaria feliz se houvesse alguma possibilidade de redenção para meu filho", afirmou.

Também os advogados que defendem o italiano se mostraram alegres pelo acolhimento do pedido de desculpas. "Penso que o presidente [do Conselho de Ministros] tenha compreendido as dificuldades psíquicas do meu cliente. Vou me esforçar para comunicar imediatamente a notícia", disse Daniela Insalaco.

"O perdão será certamente um alívio para Massimo Tartaglia", continuou a advogada, informando que a ação poderá ser útil também no tratamento psiquiátrico do agressor.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host