UOL Notícias Notícias
 

24/12/2009 - 15h39

Berlusconi prevê retomada para a economia italiana em 2010

ANSA
ROMA, 24 DEZ (ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, falou sobre as expectativas para a economia do país em 2010 na primeira entrevista que concedeu após a agressão que sofreu no dia 13, quando foi atingido no rosto por uma estatueta de ferro em Milão.

Em conversa com a rádio Anch'io, o chefe de Governo se mostrou otimista. "A retomada ocorrerá, porque todos os indicadores vão nesta direção", afirmou.

O premier ressaltou, no entanto, que a superação das consequências causadas pelo colapso financeiro exige que "todos reajam positivamente, com confiança e otimismo, porque sem otimismo não se vai a nenhum lugar".

"Eu espero também que todas as fábricas de derrotismo, de pessimismo, parem de produzir uma atmosfera que não é somente de ódio e de violência na política, mas também negativa sobre o plano de consumos e investimentos", ponderou.

Segundo ele, "todos devem colocar na cabeça que, para sair da crise, devemos ter confiança em nós mesmos e olhar para o futuro com otimismo".

"Devemos ter isso presente [no pensamento] para sair antes e melhor que os outros vizinhos europeus desta crise que, certamente, é grave e profunda e da qual nós, italianos, não temos nenhuma culpa", disse.

Recentemente, o ministro da Economia da Itália, Giulio Tremonti, anunciou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país poderia crescer mais de 1% em 2010. Nos últimos dois anos, a retração acumulada foi de 6% -- já que, para 2009, analistas preveem um encolhimento de 5%.

Berlusconi ressaltou, porém, que "em um momento de crise, nosso sistema demonstrou ser sólido, a começar pelos bancos". De acordo com o primeiro-ministro, o governo soube "manter as contas públicas em ordem, o que não ocorreu em muitos países europeus".

"Foram 18, 19 meses de trabalho extraordinário de todo o governo e de uma equipe excepcional", comentou o premier. Para ele, o governo "respondeu bem a todas as emergências nas quais precisou intervir".

O chefe de Governo citou algumas destas "emergências", como o terremoto de 5,8 graus na escala Richter que atingiu a região de Abruzzo, em abril, e a luta contra a máfia.

"A máfia é um fenômeno patológico que nós queremos derrotar definitivamente nos anos que restam desta legislatura. Quero ressaltar que, mesmo com as acusações referentes, sobretudo, ao presidente do Conselho [ele próprio], nunca nenhum governo da história da República agiu assim, com tanta determinação e eficácia na luta contra as organizações criminosas", ressaltou o premier, que recentemente foi acusado de ter mantido relações com mafiosos.

Berlusconi está afastado das atividades públicas devido à agressão que sofreu no último dia 13 ao deixar um comício em Milão.

O italiano Massimo Tartaglia, de 42 anos, atirou uma estatueta do Duomo (catedral) de Milão contra o rosto do primeiro-ministro, que fraturou um osso do nariz, quebrou dois dentes e feriu o lábio superior.

Berlusconi ficou hospitalizado por quatro dias e agora repousa em sua residência situada em Arcore por recomendação médica.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host