UOL Notícias Notícias
 

25/12/2009 - 19h47

Italianos manifestam solidariedade ao Papa após tumulto em missa

ANSA
ROMA, 25 DEZ (ANSA) - Autoridades, políticos e religiosos italianos comentaram hoje o incidente envolvendo o Papa ocorrido antes da Missa do Galo, na Basílica de São Pedro, quando ele sofreu uma queda ao ser surpreendido por uma mulher que tentou avançar em sua direção.

Em nota, a Conferência Episcopal Italiana (CEI) manifestou "afetuosa proximidade" ao Pontífice e fez votos para que ele "possa continuar a desempenhar sua missão com serenidade".

"O gesto imprudente do qual foi vítima o Santo Padre, providencialmente sem graves consequências, leva os bispos italianos a renovarem sua afetuosa proximidade a Bento XVI, cujos ensinamentos de amor e de verdade guiam e sustentam a Igreja e constituem um ponto de referência para a sociedade, como também se pôde ver nesta celebração do Santo Natal", diz o texto.

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, também expressou "uma afetuosa solidariedade" a Joseph Ratzinger, que em retribuição telefonou ao chefe de Estado para agradecê-lo.

O titular do Senado, Renato Schifani, que na missa de ontem à noite representou o Estado italiano, também divulgou uma nota para manifestar proximidade ao Papa por um episódio que definiu como "lamentável".

Já Gianfranco Fini, presidente da Câmara dos Deputados, relatou ter recebido com "grande alívio" a notícia de que Bento XVI não se feriu no tumulto gerado por Susanna Maiolo, de 25 anos e nacionalidade suíço-italiana.

O parlamentar enviou solidariedade e desejou uma breve recuperação ao cardeal francês Roger Etchegaray, de 87 anos, que também caiu no episódio e quebrou o fêmur.

O prefeito de Roma, Gianni Alemanno, disse que ficou impressionado com o ocorrido, mas ressaltou que felizmente não houve "nenhuma consequência física para o Papa".

Ele ainda chamou a atenção para o fato de que o episódio tenha ocorrido apenas alguns dias depois da agressão sofrida pelo premier Silvio Berlusconi em Milão.

No dia 13, Berlusconi foi atingido no rosto por uma miniatura de ferro da catedral de Milão ao deixar um comício. Ele fraturou o nariz, teve dois dentes quebrados e passou quatro dias no hospital. Seu agressor, Massimo Tartaglia, tem problemas mentais e foi preso.

A mulher que tentou se aproximar do Papa ontem, segundo o Vaticano, sofreria de "distúrbios psicológicos". Ela, que vive na Suíça, foi detida e posteriormente encaminhada a um hospital.

Na Missa do Galo do ano passado, Maiolo também tentou se aproximar do Papa, mas foi contida. Desta vez, ela logrou pular a divisão que isolava o público.

Hoje, ao comentar o tumulto ocorrido na Basílica de São Pedro, Berlusconi mencionou a existência de uma atmosfera de "mentira, extremismo e ódio" na Itália.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,02
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host