UOL Notícias Notícias
 

25/12/2009 - 17h15

Mulher teria dito que não queria fazer mal ao Papa, segundo médicos

ANSA
CIDADE DO VATICANO, 25 DEZ (ANSA) - A suíço-italiana Susanna Maiolo, jovem que ontem à noite derrubou o papa Bento XVI pouco antes da Missa do Galo, na Basílica de São Pedro, teria dito aos médicos que a atenderam em um hospital que "não queria fazer mal ao Santo Padre".

Segundo informações que circulam no Vaticano, quem a viu pessoalmente afirma que ela aparenta ter "distúrbios mentais e pensamentos distorcidos", o que a teria levado a tentar, por dois anos seguidos, aproximar-se do Pontífice durante a missa do Galo.

Também de acordo com fontes da Santa Sé, a mulher, de 25 anos, vive na Suíça e foi ao Vaticano apenas para acompanhar a celebração da noite de Natal. Ela teria feito o mesmo no ano passado, quando também tentou se aproximar de Bento XVI, mas foi contida.

Ontem, porém, embora tenha sido interceptada por um segurança, ela ainda assim puxou o Papa, que foi ao chão a poucos metros do altar. Prontamente socorrido por auxiliares que o acompanhavam, Bento XVI se recompôs e celebrou a missa sem novos contratempos.

Maiolo tem nacionalidade suíço-italiana e nas duas ocasiões usava uma jaqueta vermelha. Após ser detida, a jovem foi levada ao hospital S. Spirito, onde recebeu atendimento psiquiátrico. Em seguida, foi transferida para outra instituição, dessa vez fora de Roma.

O cardeal francês Roger Etchegaray, que também sofreu uma queda no tumulto, quebrou o fêmur e terá de passar por cirurgia nos próximos dias.

Fontes do Hospital Gemelli, em Roma, para onde ele foi levado, disseram que seu quadro clínico é ótimo e que o sacerdote, de 87 anos, está de bom humor.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host