UOL Notícias Notícias
 

28/12/2009 - 17h02

Colômbia: Uribe acusa as Farc de tentarem desviar a atenção com libertação de reféns

ANSA
BOGOTÁ, 28 DEZ (ANSA) - O presidente colombiano, Álvaro Uribe, afirmou hoje que a guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pretende ocultar o assassinato do governador de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar, utilizando como subterfúgio a libertação de reféns.

Cuéllar foi morto no último dia 21 após ter sido sequestrado. O crime foi atribuído às Farc, que não se pronunciaram sobre tal acusação. Antes de ser governador, ele já havia sido raptado outras quatro vezes.

Ontem, por sua vez, a guerrilha emitiu um comunicado no qual exigia "conhecer todos os protocolos" de segurança como última etapa para a libertação do cabo Pablo Emilio Moncayo e do soldado José Daniel Calvo, junto à entrega dos restos mortais do capital Julián Guevara, morto em poder da organização.

Para Uribe, o novo pedido das Farc é apenas uma manobra para que a população "ignore o assassinato" do governador.

Os integrantes das Farc "são cínicos, falam como se fossem anjos e pretendem que os colombianos ignoremos que acabam de assassinar o governador de Caquetá", declarou.

O presidente enfatizou ainda que seu governo atendeu todas as pretensões impostas, mas os reféns não foram soltos.

Em declarações a uma rádio local, Uribe reiterou a ordem dada às tropas do país após a morte de Cuéllar, de obter a libertação de todos os reféns e às Farc exigiu que parem de "enganar a população" e "coloquem Moncayo, Calvo e todos os sequestrados em liberdade".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h49

    0,31
    3,137
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h53

    -0,49
    75.016,71
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host