UOL Notícias Notícias
 

02/01/2010 - 18h29

Equador: Presidente diz que deixará cargo se houver impunidade em morte de indígena

ANSA
QUITO, 2 JAN (ANSA) - O presidente do Equador, Rafael Correa, disse estar disposto a deixar o cargo se ficar impune a morte do professor Bosco Wisuma, da etnia shuar, ocorrida em setembro durante manifestações indígenas contra o governo.

"Eu saio do cargo, mas aqui não vou permitir que caia a morte de um irmão na impunidade", afirmou Correa em seu informe semanal de trabalho, transmitido hoje.

O assassinato do professor ocorreu na época em que comunidades indígenas protestavam contra a lei de águas que estava sob análise do Congresso equatoriano. A mobilização foi motivada pela alegação de que a nova legislação poderia criar brechas para a privatização do recurso natural.

As circunstâncias do falecimento de Wirusa ainda não foram esclarecidas, mas sabe-se que ele foi baleado em um choque entre manifestantes e a polícia. Na mesma ocasião, 40 agentes ficaram feridos.

Correa responsabilizou a rádio comunitária La Voz de Arutam pelo crime, pois a emissora teria incitado as pessoas à violência.

"Estes líderes irresponsáveis, que se criaram acima do bem e do mal, acreditam que são intocáveis", acrescentou o presidente.

O Conselho Nacional de Telecomunicações ordenou a revogação da freqüência da emissora, mas dirigentes indígenas recorreram da decisão e pretendem processar o Estado.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host