UOL Notícias Notícias
 

18/02/2010 - 14h07

Londres nega aumento de contingente nas Ilhas Malvinas

ANSA
LONDRES, 18 FEV (ANSA) - O Ministério da Defesa britânico negou hoje que tenha aumentado sua presença militar próximo às Ilhas Malvinas (Ilhas Falkland) diante da intenção do governo argentino de controlar o movimento de navios na região.

No entanto, a imprensa inglesa publicou nesta quinta-feira que Londres enviou "secretamente" ao arquipélago uma nova força naval composta por embarcações de guerra e um cargueiro de assistência para reforçar a defesa do local. Os tabloides mencionam o navio HMS York como o responsável pela operação.

A tensão entre Argentina e Reino Unido, que mantêm uma disputa histórica pelas Ilhas Malvinas -- território britânico no Atlântico Sul --, aumentou após o decreto de Buenos Aires que restringe a circulação de navios nas águas próximas à região contestada.

A medida determina que todas as embarcações que transitem entre a Argentina e as Ilhas Malvinas devem ter uma autorização do governo do país latino-americano.

O gesto é visto como uma resposta à intenção de Londres de explorar petróleo no arquipélago com empresas autorizadas pelo governo da ilha, que possui cerca de três mil habitantes.

O decreto foi mal recebido pelo Ministério britânico das Relações Exteriores, que informou que isto não afetará as atividades de exploração de hidrocarbonetos.

Por sua parte, o presidente do grupo parlamentar responsável pelas Malvinas, Nicholas Winterton, confirmou que pedirá uma reunião com funcionários do alto escalão da Chancelaria britânica.

Atualmente, há cerca de 1.600 membros das Forças Armadas do Reino Unido no arquipélago, além de quatro aviões Eurofighter Typhoons, um Hércules, um Vickers VC10 de recarga e dois helicópteros Sea King.

De acordo com os jornais ingleses, o envio de mais militares foi feito em sigilo para "que não pareça demasiadamente provocador".

Especialistas estimam que nas águas próximas às Ilhas Malvinas haja até 60 mil barris de petróleo. A plataforma Ocean Guardian deve chegar à região amanhã, sendo que na próxima semana é esperada a companhia Desire Petroleum.

Em 1982, Argentina e Reino Unido entraram em guerra pela posse do arquipélago. A batalha foi vencida pelos britânicos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host