UOL Notícias Notícias
 

18/02/2010 - 09h39

Novo diretor paraguaio de Itaipu discorda de alterar tratado energético

ANSA
ASSUNÇÃO, 18 FEV (ANSA) - O recém-designado diretor-geral paraguaio da usina binacional de Itaipu, Gustavo Codas, afirmou que, para ele, é desnecessário alterar o tratado assinado em 1973 que regula a participação do Brasil e do Paraguai na energia gerada pelo complexo.

"Não considero que seja necessário mudar a letra do que está escrito", comentou Codas, segundo o jornal La Nación. Ele ressaltou que o acordo assinado no ano passado entre o presidente paraguaio, Fernando Lugo, e seu homólogo Luiz Inácio Lula da Silva já é o suficiente para garantir a soberania energética.

"O contexto, a interpretação e o rumo que se quer tomar, eu creio que a declaração de 25 de julho já mostra isso", explicou o diretor-geral, ao participar ontem de um seminário dirigido a jornalistas.

A revisão do Tratado de Itaipu foi uma das principais promessas de campanha de Lugo, eleito em 2008. Pelos termos originais do documento, Brasil e Paraguai devem dividir a energia gerada.

No entanto, devido ao Paraguai consumir apenas 5% do montante a que tem direito, o país é obrigado a vender o restante ao Brasil a preço de custo.

Com o acordo assinado em julho do ano passado, o Brasil irá pagar três vezes mais pela parte paraguaia, o que chega a aproximadamente US$ 360 milhões anuais.

As mudanças só entrarão em vigor quando aprovadas pelo Congresso de ambos países, sendo que só falta o parecer do Legislativo brasileiro.

Codas está à frente da direção paraguaia da Itaipu desde janeiro, quando Lugo destituiu o então diretor-geral, Carlos Mateo Balmelli. Antes, ele exercia o cargo de assessor presidencial para temas energéticos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h49

    0,50
    3,145
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h51

    -0,58
    75.560,98
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host