UOL Notícias Notícias
 

25/02/2010 - 12h26

EUA se mantêm neutros em conflito por Malvinas, diz imprensa britânica

ANSA
LONDRES, 25 FEV (ANSA) - Os Estados Unidos se negaram a apoiar a Grã-Bretanha na disputa pela soberania e exploração de petróleo e gás nas Ilhas Malvinas (Falkland) depois que a Argentina levou sua reclamação sobre o assunto à Organização das Nações Unidas.

De acordo com o jornal britânico The Times, apesar dos estreitos laços entre o país de Barack Obama e o de Gordon Brown, os norte-americanos não querem se envolver no conflito e alegam que este é um tema bilateral.

A Argentina tem uma reclamação histórica relacionada à soberania das Malvinas, arquipélago localizado no Atlântico Sul e que pertence à Grã-Bretanha desde 1833. Recentemente, as tensões se intensificaram devido à decisão da nação europeia de explorar hidrocarbonetos na região.

A iniciativa contrariaria uma resolução da ONU segundo a qual nada pode ser feito na área sem que haja concordância de ambos países. Em resposta, a Argentina baixou um decreto exigindo que as embarcações que navegarem na área adquiram uma licença especial.

Na segunda e terça-feira, os mandatários presentes à XXI Cúpula do Grupo do Rio e à II Cúpula da América Latina e do Caribe (Calc) declararam seu apoio formal à solicitação do governo de Cristina Kirchner.

Ontem, o chanceler argentino, Jorge Taiana, se reuniu com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para tratar do assunto e pedir que a entidade interceda a seu favor -- uma atitude que foi rechaçada categoricamente pela Grã-Bretanha.

Fontes oficiais norte-americanas informaram ao The Times que a posição dos Estados Unidos em relação às Malvinas é neutra há tempos -- atitude muito diferente ao apoio público e de inteligência oferecido pelo então presidente Ronald Reagan a Margaret Thatcher em 1982.

Naquele ano, a premier britânica decidiu usar a força para recuperar as ilhas, que haviam sido invadidas por tropas argentinas. O conflito, que ficou conhecido como Guerra das Malvinas, foi vencido pelos europeus, que contaram com intenso suporte norte-americano.

"Nós estamos conscientes da atual situação e da história, mas nossa posição permanece uma de neutralidade", afirmou um porta-voz do Departamento de Estado. "Os Estados Unidos reconhecem a administração de facto do Reino Unido nas ilhas, mas não toma posição no reclamo de soberania de cada parte", continuou a fonte.

O analista da Instituição Brookings e ex-vice-presidente da Costa Rica Kevin Casas-Zamora afirmou que o apoio de Reagan à Grã-Bretanha na Guerra das Malvinas "irritou muita gente na América Latina".

Para o especialista, a administração Obama "está tentando rachar as diferenças tanto quanto puder, porque sabe que concordar com a posição britânica criaria novamente muita má vontade na região", explica Casas-Zamora.

Já pelo lado britânico, funcionários assinalaram ao The Times que estão confortáveis com a resposta norte-americana na disputa, mas indicaram que qualquer apoio proveniente dos Estados Unidos não seria bem recebido. Segundo eles, caberia aos ilhéus decidir se querem a mediação ou não.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host