UOL Notícias Notícias
 

13/03/2010 - 15h35

(Especial) 'Narconovelas' fazem sucesso na Colômbia retratando universo do crime

ANSA
Por THIAGO BORGES

SÃO PAULO, 13 MAR (ANSA) - Novelas que retratam o cotidiano do crime e do tráfico na Colômbia têm ocupado espaços do horário nobre em algumas das principais emissoras de TV do país. Para especialistas, o êxito dessas tramas está ligado à curiosidade do público e a anseios por segurança e poder econômico.

Uma das novelas de maior sucesso é "Rosario Tijeras", baseada em um romance do escritor Jorge Franco que também foi adaptado para o cinema. Em entrevista à ANSA, o autor explica que o sucesso das chamadas "narconovelas" se deve em parte ao fato de que elas conseguem abordar a criminalidade a partir de uma perspectiva bastante próxima.

"Essas novelas permitiram mostrar um pouco a intimidade do narcotráfico, que é um mundo mitológico, um mundo absurdo, exagerado. E por isso despertou tanto interesse", diz Franco.

Na história contada por ele, Rosario sofre abusos sexuais na infância e mais tarde se torna prostituta e assassina em Medellín. Em um de seus crimes, ela usa uma tesoura para se vingar de um homem que a estuprou -- fato que dá origem a seu sobrenome Tijeras (tesoura, na tradução).

Atualmente, a versão de "Rosario Tijeras" para a televisão integra a grade do canal RCN, um dos principais da Colômbia. Para Franco, a massificação das "narconovelas" dá à população a possibilidade de refletir sobre problemas que afligem o país.

"Acredito que cada país tem que contar a si mesmo, ver quais são seus erros, falhas e também coisas boas. Sempre digo que todo país usou a televisão, o cinema e a literatura para contar sua história. E, lamentavelmente, a história da Colômbia tem muito a ver com o narcotráfico", afirma.

Outras séries de sucesso são "El Cartel" ("O Cartel"), "Sin Tetas no hay Paraíso" "(Sem Seios não há Paraíso") e "Las Muñecas de la Mafia" ("As Bonecas da Máfia").

Para o professor Thiago Rodrigues, coordenador do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina, o interesse por esse tipo de atração se relaciona também com necessidades sociais negligenciadas por políticas públicas. "O que está por trás da audiência é uma vontade popular de segurança, um apreço pela autoridade, pelo sucesso econômico", explica o especialista.

A jornalista colombiana Martha Ruiz, editora de Segurança da Revista Semana, ressalta que o fato de a problemática do narcotráfico fazer parte do cotidiano dos telespectadores torna mais próxima a relação com as histórias que são contadas nas novelas.

"A máfia vai se normalizando e os mafiosos vão se instalando na sociedade como algo normal. Acredito que a televisão está mostrando algo que vivemos", avalia.

Uribe

O professor de Ciência Política da USP Rafael DuarteVilla diz não ver qualquer contradição no fato de que as "narconovelas" fazem sucesso justamente em um país no qual o presidente, Álvaro Uribe, ostenta altos níveis de aprovação por causa de sua política de combate ao tráfico.

"A popularidade de Uribe não se deve ao tráfico de drogas. Ele conseguiu dar respostas aos problemas da violência política, como as Farc [Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia]", diz. "O que é visto como problema são os grupos paramilitares e as Farc, não os traficantes."

Impedido pela Justiça de concorrer à segunda reeleição, Uribe terá como seu candidato o ex-ministro da Defesa Juan Manuel Santos. A disputa para presidente está marcada para o dia 30 de maio, mas neste domingo haverá votação para o Legislativo, pleito que já é visto como uma prévia da sucessão.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host