UOL Notícias Notícias
 

19/04/2010 - 14h05

Porta-voz diz que encontro do Papa com vítimas de pedofilia foi 'emocionante'

ANSA
CIDADE DO VATICANO, 19 ABR (ANSA) - O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, classificou de comovente e "cheio de esperança, renascimento e reconciliação" o encontro mantido ontem entre o papa Bento XVI e vítimas de abuso sexual de membros do clero em Malta.

"Eu, que estava presente, vi um clima muito, muito emocionante, muito profundo, mas também muito sereno", explicou o representante da Santa Sé, descrevendo a reunião ocorrida no segundo dia da viagem do Pontífice ao arquipélago mediterrâneo.

"O encontro foi muito simples e diria que é uma mensagem na maneira em que aconteceu: discreto, longe do clamor da mídia e da publicidade", afirmou Lombardi.

O porta-voz relatou em entrevista à Rádio Vaticana que o evento começou com um momento de oração e prosseguiu com a escuta de Bento XVI das palavras das vítimas, que disseram "tudo aquilo que podiam ter no coração e queriam dizer ao Papa como pastor e como pai".

O padre assinalou ainda que "as respostas foram muito simples, muito espontâneas, de participação, de dor, de oração, de encorajamento, de esperança, que o Papa pode dizer a qualquer um deles", explicando que o encontro se referiu a "curar as feridas pessoais profundas".

"O caminho não é tanto aquele das mensagens gritadas, mas é justamente o da escuta e do diálogo em profundidade", acrescentou.

Bento XVI "pode fazê-lo, e concluiu este encontro com uma oração comum e com uma bênção", relatou Lombardi. "Me parece compreender que os testemunhos dados pelos próprios participantes, que quiseram falar-lhe livremente, foram extremamente positivos", completou.

Segundo informações, o Pontífice teria chorado durante a reunião com oito vítimas de pedofilia molestadas durante os anos 1980, na época em que moravam em um orfanato católico na localidade de Santa Verena. Na ocasião, Bento XVI expressou "consternação" e "vergonha e dor por aquilo que as vítimas e suas famílias sofreram".

Ainda hoje, o porta-voz da Conferência Episcopal Italiana (CEI), Domenico Pompili, disse que as ações do papa Bento XVI durante sua visita a Malta "deram a percepção de qual é a atitude da Igreja" em relação ao tema, de "não acobertar nunca" e "usar a máxima transparência" quanto aos casos de abuso.

De acordo com Pompili, esta é também "a primeira grande lição de comunicação, porque se é comunicativo quando se é capaz de dizer as coisas como são, sem fingimentos".

"O Papa quer ser também vizinho às pessoas que foram abusadas e que sofreram este crime indizível. E o fez não só ontem, mas diversas vezes, para testemunhar que não esquece, que está próximo, para que as pessoas possam se encontrar e fazer um percurso de recuperação", completou o porta-voz da CEI.

Já o diretor do jornal vaticano L'Osservatore Romano, Gian Maria Vian, declarou que o encontro de Bento XVI com as vítimas maltesas de pedofilia demonstram a vontade de estabelecer um processo de "purificação".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,40
    3,181
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    2,01
    70.011,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host