UOL Notícias Notícias
 

24/04/2010 - 15h24

Papa diz que humanidade deve ser defendida com coesão social que permita diversidade

ANSA
CIDADE DO VATICANO, 24 ABR (ANSA) - O papa Bento XVI recebeu hoje o novo embaixador da Bélgica junto à Santa Sé, Charles Ghislain, e disse que humanidade deve ser defendida com uma "autêntica coesão social que não enfraqueça a legítima diversidade de opiniões".

O chefe de Estado do Vaticano lembrou de dois desastres que ocorreram na Bélgica nos meses passados: a queda de um prédio em janeiro em Liège, que matou pelo menos nove pessoas; e um incidente ferroviário em março em Buizingen, que deixou 18 vítimas fatais.

Durante a entrega das credenciais do diplomata, o Pontífice declarou que "estas catástrofes nos fizeram medir a fragilidade da existência humana e a necessidade de protegê-la".

"A vida e a dignidade humana constituem um bem precioso que é preciso defender e promover com decisão na base do direito natural", assegurou na reunião, durante a qual não comentou o caso do ex-bispo belga Roger Vangheluwe, que teve sua renúncia aceita ontem pela Santa Sé ao admitir ter abusado sexualmente de um menor.

"A Igreja, tendo como objetivo o bem comum, não reclama nada além da liberdade de poder propor esta mensagem sem impô-la a ninguém, no respeito da liberdade de consciência", acrescentou ele.

O Papa também falou que "a busca do consenso" é uma qualidade que precisa ser promovida, mas para trazer frutos a longo prazo "não deve se reduzir a uma habilidade puramente dialética, mas sim procurar o verdadeiro e o bem".

Bento XVI disse que a Bélgica viu sua "vocação europeia" reafirmada com a escolha de um cidadão do país como primeiro presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, e que se comprometeu e distinguiu na busca de um consenso em situações complexas.

"Esta qualidade deve ser encorajada no momento de combater, pelo bem de todos, os confrontos internos do país", explicou o Pontífice.

Atualmente, a Bélgica enfrenta uma crise institucional causada pelo conflito político e linguístico entre a maioria flamenga e a minoria francófona, que contesta a política central do governo.

A disputa provocou o pedido de renúncia do primeiro-ministro Yves Leterme, em um momento em que o país se recupera da crise econômica e está a poucos meses de assumir a presidência da União Europeia. O rei Alberto II anunciou hoje que pediu ao ministro das Finanças, Didier Reynders a retomada das negociações entra flamengos e francófonos.

Ainda no encontro com Ghislain, Bento XVI citou sua encíclica "Caritas in Veritate" (2009) ao afirmar que "sem verdade, sem confiança e sem amor à verdade não há consciência, nem responsabilidade social, e o agir social se torna presa de interesses privados e lógicas de poder".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host