UOL Notícias Notícias
 

24/05/2010 - 11h46

Argentina diz que Grã-Bretanha desrespeita o Direito em conflito sobre Malvinas

ANSA
BUENOS AIRES, 24 MAI (ANSA) - O vice-chanceler argentino, Victorio Taccetti, comentou a reunião sobre as Ilhas Malvinas programada para hoje com a embaixadora britânica em Buenos Aires, Shan Morgan, e disse que a nação europeia "pensa que o Direito pode ser aplicado a outros países, mas não a eles mesmos".

Segundo a agência argentina Télam, o encontro com a diplomata ocorrerá em resposta a uma queixa de Londres quanto à soberania do trânsito marítimo na região do arquipélago, também conhecido como Falklands.

O controle das Malvinas, território britânico localizado no Atlântico Sul, é reivindicado pela Argentina desde que os europeus ocuparam as ilhas, em 1833. O caso voltou às manchetes no inicio do ano, devido a Londres ter decidido unilateralmente começar a explorar petróleo e gás na região -- o que contrariaria uma resolução da ONU.

Em represália, o governo de Cristina Kirchner firmou um decreto que obriga as embarcações que transitarem pela área contestada a ter uma autorização especial das autoridades locais. "Queremos que respondam pelas atividades ilegais que estão fazendo", explicou Taccetti a uma rádio local.

O diplomata reclamou que a situação é "um ato de força". "Já estamos habituados a este tipo de políticas. Parece que o Direito pode ser aplicado a outros países e não a eles mesmos", assegurou o vice-chanceler.

"As pessoas que estão nas Malvinas não são colonizadas. Foram enviadas pelo Reino Unido, desprezando os habitantes anteriores", disse ele, recordando que quando as tropas europeias invadiram as ilhas, expulsaram o então governador argentino e todos os moradores do local.

"Nunca foi possível nestes 200 anos que um argentino fosse viver nas Malvinas, em nenhum momento permitiram professores, operários", assinalou. "Violaram o direito universal das pessoas de mover-se e estabelecer-se onde mais lhes convenha", indicou. Para Taccetti, toda a ocupação britânica no arquipélago "se baseia na força".

Sobre a prospecção de hidrocarbonetos na região, o vice-chanceler sublinhou que já foi apresentado um documento a respeito e que Cristina "deu a conhecer" a opinião argentina na VI Cúpula União Europeia-América Latina e Caribe, celebrada em Madri na semana passada.

"Vamos avançando em gerar um consenso internacional que force o Reino Unido a mudar sua postura", declarou o diplomata.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host