UOL Notícias Notícias
 

28/05/2010 - 10h41

Papa defende boa acolhida e integração de imigrantes

ANSA
CIDADE DO VATICANO, 28 MAI (ANSA) - O papa Bento XVI defendeu hoje uma ação positiva quanto à imigração, pedindo que os governos e organizações promovam a acolhida e integração dos estrangeiros e que estes, por sua vez, assumam seus direitos e deveres.

Recebendo em audiência participantes da Assembléia plenária do Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, o Pontífice afirmou que as "disposições legislativas" e as "práticas administrativas" devem possibilitar "ocasiões de ingresso na legalidade".

Segundo o líder máximo da Igreja Católica, tais iniciativas favoreceriam "o justo direito ao reagrupamento familiar, ao asilo e ao refúgio", "compensando as necessárias medidas restritivas e enfrentando o condenável tráfico de pessoas".

"Infelizmente, assistimos ao ressurgimento de instâncias particularistas em algumas áreas do mundo, mas também é verdade que existem fugas a assumir responsabilidades que deveriam ser divididas", apontou ele, defendendo "a troca mútua e o enriquecimento" que pode ocorrer a partir da imigração.

De acordo com Bento XVI, assuntos como a entrada ou o afastamento forçado de estrangeiros exigem "uma concordância entre os governos e os organismos" internacionais "mais diretamente interessados".

"Não se deve esquecer o importante papel da mediação a fim de que as resoluções nacionais e internacionais, que promovem o bem comum universal, encontrem acolhida junto às instâncias locais e repercutam na vida cotidiana", continuou.

O Papa assinalou que a cooperação entre organizações e Estados pode ajudar a conciliar "o reconhecimento dos direitos da pessoa e o princípio da soberania nacional, com referência específica às exigências da segurança, da ordem pública e do controle de fronteiras".

"A circulação das pessoas é, há tempos, objeto de convenções internacionais, que visam garantir a proteção dos direitos humanos fundamentais e combater a discriminação, a xenofobia e a intolerância. Trata-se de documentos que favorecem princípios e técnicas de tutela supranacionais", explicou o chefe de Estado do Vaticano.

"É apreciável os esforços de construir um sistema de normas divididas que contemplem os direitos e deveres do estrangeiro, como também os da comunidade de acolhida, tendo em vista, em primeiro lugar, a dignidade de cada pessoa humana, criada por Deus à sua imagem e semelhança", acrescentou.

Ainda hoje, Bento XVI opinou que o futuro da sociedade repousa no encontro entre os povos, no diálogo entre as culturas e no respeito das identidades e legítimas diferenças.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host