UOL Notícias Notícias
 

25/06/2010 - 15h57

Em cúpula da Alba, Morales volta a ameaçar agência norte-americana

ANSA
QUITO, 25 JUN (ANSA) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, voltou a afirmar hoje que não irá "conter a mão" para expulsar a Agência Norte-americana para o Desenvolvimento Internacional (Usaid, na sigla em inglês) se os EUA não pararem de "conspirar" contra seu governo.

Morales já chegou a expulsar o embaixador norte-americano em 2008 após acusá-lo de incentivar movimentos separatistas no país. Naquele mesmo ano, a Agência Antidrogas dos Estados Unidos (DEA) também foi expulsa.

"Se o senhor [Barack] Obama e sua chanceler [secretária de Estado dos EUA], [Hillary] Clinton, não acabarem com este novo tipo de manobra, realmente não vou conter a mão para expulsar a Usaid", declarou o boliviano, que nesta sexta-feira realiza uma visita ao Equador.

Morales participa, junto ao venezuelano Hugo Chávez e o anfitrião Rafael Correa, das atividades finais da 10º Cúpula da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (Alba), que acontece na cidade de Otavalo, na província equatoriana de Imbabura, a 110 quilômetros da capital Quito.

Recentemente, o presidente boliviano acusou Washington de utilizar fundações e organizações não-governamentais (ONGs), por meio de verbas, para fazer oposição ao governo. Esta não é a primeira vez que Morales faz este tipo de acusação.

Em decorrência disso, na última terça-feira, grupos indígenas das terras altas da Bolívia ameaçaram processar o presidente caso ele não prove que suas organizações estão envolvidas com a Usaid.

Dirigentes do Conselho Nacional de Ayllus e Markas de Qullasuyu (Conamaq) também acusaram que "gente do próprio partido" de Morales, o Movimento ao Socialismo (MAS), de trabalhar com a agência norte-americana.

Durante a cúpula da Alba, o boliviano também exortou que seus colegas do Equador e da Venezuela recolhessem os "saberes e conhecimentos" dos povos "originários, dos trabalhadores e intelectuais" para resolver seus problemas.

"O povo organizado, o movimento indígena, originário, campesino, sabem de seus problemas, mas também das respostas a eles", assegurou.

O encontro tem o objetivo de firmar a "Declaração de Otovalo" para fortalecer a integração entre os povos indígenas e afrodescententes e de implementar o Tratado Comercial para os Povos (TCP). Além das autoridades dos países do grupo, participam do encontro lideranças indígenas da região, com exceção dos ligados à Confederação das Nações Indígenas do Equador (Conaie), que rompeu com o governo de Rafael Correa.

Morales chegou à nação andina hoje, assim como Chávez. Ambos foram recebidos com honras na base aérea do aeroporto Mariscal Sucre pelo vice-chanceler do Equador, Kintto Lucas, e pelo embaixador da Venezuela no país, Óscar Navas Tortolero.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h39

    0,32
    3,168
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h42

    0,64
    74.916,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host