UOL Notícias Notícias
 

27/06/2010 - 09h51

Papa chama de 'deplorável e surpreendente' operação da Justiça belga em arcebispado

ANSA
CIDADE DO VATICANO, 27 JUN (ANSA) - O papa Bento XVI expressou hoje solidariedade aos bispos da Bélgica, definindo como "deplorável e surpreendente" a operação de buscas realizada no Arcebispado de Malines-Bruxelas pela Justiça local, que investiga denúncias de pedofilia.

Em uma mensagem ao presidente da Conferência Episcopal Belga, André-Joseph Léonard, o Pontífice assinalou desejar que seja descoberta a verdade sobre as suspeitas de abuso sexual que envolvem padres, mas "no respeito da recíproca especificidade e autonomia" da Igreja.

"Muitas vezes eu mesmo reiterei que tais graves fatos devem ser tratados pela ordem civil e pela canônica", assinalou o chefe de Estado do Vaticano.

"Neste sentido, desejo que a Justiça siga seu curso, com a garantia dos direitos fundamentais das pessoas e das instituições, no respeito às vítimas, no reconhecimento sem prejuízo daqueles que se empenham em colaborar e na recusa de todos que escurecem os nobres compromissos a ela designados", acrescentou.

Na quinta-feira, as autoridades judiciais belgas fizeram uma operação de busca no Arcebispado de Malines-Bruxelas e em uma catedral. Durante o tempo que durou a operação, os religiosos ficaram retidos no local. Na sexta-feira, o Vaticano divulgou uma nota na qual condenou a forma como foi conduzida a iniciativa e a abertura das tumbas que teria sido realizada durante a ação.

Ainda na mensagem a Léonard, o Papa exprimiu sua "proximidade" a ele e a todos os prelados da Igreja local "pela surpreendente e deplorável modalidade com a qual foram conduzidas as buscas na Catedral de Malines e na sede onde estava reunido o episcopado belga".

Bento XVI recordou que naquela ocasião, os religiosos se encontravam "em uma sessão plenária que, entre outros, deveria ter tratado também de aspectos legais ligados aos abusos de menores da parte de membros do clero".

Segundo o arcebispado, os investigadores teriam recolhido 475 processos relativos a testemunhos sobre casos de pedofilia, além de computadores.

Ontem, o porta-voz da procuradoria responsável pelas investigações, Jean-Marc Meilleur, refutou as acusações de que durante as nove horas em que durou a ação os bispos permaneceram sem comer ou beber. "As buscas foram conduzidas por profissionais que conhecem muito bem seu trabalho e respeitam os direitos das pessoas", garantiu ele, em entrevista à imprensa local.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host