UOL Notícias Notícias
 

27/06/2010 - 09h14

Secretário de Estado do Vaticano pede que G20 avance mais do que G8

ANSA
CHIAVARI, 27 JUN (ANSA) - O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, disse esperar que o G20 avance mais do que o G8, ao comentar as cúpulas mantidas nos últimos dias por alguns dos líderes mais importantes do mundo no Canadá.

"O G8 não deu os frutos esperados. Agora confiamos que o G20 possa fazer qualquer coisa a mais", declarou o cardeal, falando sobre a crise econômica durante uma celebração na localidade de Chiavari, na província italiana de Gênova.

Em sua homilia em celebração a Nossa Senhora do Horto, o secretário de Estado do Vaticano apontou as dificuldades, "especialmente dos mais vulneráveis", e citou os problemas dos jovens "que não têm salários justos" e "das pessoas que perdem o trabalho e não conseguem achar outro".

Nestes sábado e domingo, ocorre no Canadá a Cúpula do G20 (grupo dos países mais ricos do mundo e dos principais emergentes), evento que se segue à Cúpula do G8 (grupo dos países mais industrializados do mundo e a Rússia).

Entre os principais temas do G8 estavam as medidas adotadas pelos países da Europa para combater as dificuldades de déficit orçamentário e a dívida pública. De um lado, a UE defende inciativas austeras, enquanto os Estados Unidos condenam a retirada das medidas de estímulo.

A discussão do G20 continua sob o aspecto econômico, com conversas acerca de estratégias para retomar o crescimento após a crise. O Brasil e os demais países emergentes são favoráveis à posição norte-americana de que é necessário continuar fomentando os investimentos.

O ex-premier italiano Romano Prodi também falou sobre as cúpulas, às quais comparece o atual primeiro-ministro do país europeu, Silvio Berlusconi.

O ex-chefe de Governo acusou em um editorial no jornal Il Messaggero os fracos resultados do G8 e assinalou que o G20 poderá chegar a poucas conclusões "pela falta de um acordo sobre o principal tema que está na mesa, ou seja, a estratégia de saída da crise econômica".

"Se não houver milagres, será um G20 particularmente magro e talvez serão magros também os próximos, se não nos apressarmos a dotá-los de estruturas fortes", continuou Prodi. Segundo ele, um resultado concreto poderá emergir somente se "o menu estiver quase pronto antes do início da reunião".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host