UOL Notícias Notícias
 
08/07/2010 - 11h43 / Atualizada 08/07/2010 - 12h04

Ordenação de mulheres pode ser incluída pela Igreja entre crimes graves

ANSA
CIDADE DO VATICANO, 8 JUL (ANSA) - A ordenação sacerdotal de mulheres, a heresia, a apostasia [renúncia à vida religiosa sem autorização] e o cisma [desacordo de opiniões] podem ser incluídos nos novos crimes de foro eclesiástico a serem anunciados pela Santa Sé.

A introdução destes delitos, segundo fontes informais, estaria na atualização das normas contidas no Motu Proprio, na parte dedicada aos delicta graviora [crimes graves aos quais os sacerdotes estão sujeitos], documento firmado por João Paulo II em 2001.

Recentemente, porta-vozes revelaram à ANSA que a Igreja Católica deverá publicar até a próxima semana as novas regras, que terão como objetivo principal combater o fenômeno dos abusos sexuais cometidos ou encobertos por padres e sacerdotes.

Conforme informações que não foram nem negadas nem desmentidas pelo Vaticano, as alterações sobre as quais trabalha a Congregação para Doutrina da Fé estipulariam que as ordenações sacerdotais de mulheres poderiam ser julgadas pelos tribunais do dicastério.

Nomeações Ainda hoje, o papa Bento XVI nomeou Rubén Salazar Gómez como novo arcebispo de Bogotá, aceitando a demissão do cardeal Pedro Rubiano Sáenz, que deixa o cargo por ter atingido o limite de idade. Até agora, Gómez chefiava o Arcebispado de Barranquilla e é presidente da Conferência Episcopal Colombiana.

Outra designação foi a de Konrad Zdarsa como bispo de Augsburgo, na Alemanha, em substituição a Walter Mixa, que teve sua renúncia aceita pelo Vaticano após ser objeto de um escândalo de pedofilia e maus tratos contra crianças.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h10

    0,68
    3,204
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h13

    0,35
    64.903,28
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host